Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria automotiva

09/11/2017 - 14h52min. Alterada em 09/11 às 14h53min

Justiça decreta falência da empresa de implementos rodoviários Guerra, de Caxias do Sul

Companhia de Caxias do Sul estava em recuperação judicial desde 2015

Companhia de Caxias do Sul estava em recuperação judicial desde 2015


Guerra Implementos Rodoviários/Divulgação/JC
A justiça decretou a falência da Guerra SA, empresa de implementos rodoviários e uma das mais tradicionais de Caxias do Sul, na Serra gaúcha. A companhia estava em recuperação judicial desde 2015, com dívida avaliada em R$ 240 milhões, e seus funcionários já sofriam com problemas como atraso de salários. A decisão foi tomada pela juíza Maria Olivier, da 4ª Câmara Cível de Caxias do Sul, e noticiada nessa quarta-feira (8).
Segundo a Rádio Caxias, apesar de estar em processo de recuperação judicial, a empresa não conseguiu solucionar os problemas administrativos e financeiros, e diversas manifestações de funcionários ocorreram nos últimos meses. Em sua decisão, a juíza Maria Olivier destaca que, na Assembleia Geral de Credores realizada em julho, já não haviam dúvidas sobre a situação difícil da empresa, "pois, passados mais de dois anos, não logrou seguir na sua organização empresária, tanto que, após um ano e meio do deferimento do pedido de recuperação judicial, paralisou suas atividades de produção", explica.
Os acionistas são contrários à medida e devem recorrer. A decisão da juíza acompanha a visão do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP) que, em outubro, havia reprovado o plano de recuperação da empresa e entendido a declaração de falência como resolução do caso.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia