Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 07/11 às 21h23min

Dólar avança ante rivais diante de expectativas de alta de juros pelo Fed

O dólar avançou de forma generalizada nesta terça-feira (7), com o aumento das apostas dos investidores de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) continua sendo a instituição em melhor posição para elevar as taxas de juros.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar avançava para 113,95 ienes, de 113,78 ienes na tarde de ontem; o euro recuava para US$ 1,1587, de US$ 1,1608; e a libra baixava para US$ 1,3168, de US$ 1,3172.
Os investidores compraram dólares diante de sinais de que o crescimento não é constante em várias economias. O Banco da Reserva da Austrália (RBA, na sigla em inglês) manteve sua taxa de juros inalterada ontem, mas disse que há dúvidas em relação ao ritmo dos gastos dos consumidores.
Já o euro se viu prejudicado com uma queda maior que o esperado da produção industrial da Alemanha em setembro. A divisa americana ainda avançou para 1,2776 dólares canadenses.
Enquanto permanecem dúvidas entre os investidores de que os republicanos consigam passar seu plano de reforma tributária no Congresso dos EUA, ainda há a confiança de que o Fed vai elevar juros ainda este ano.
"Há pessoas no mercado que pensam que estamos nos voltando para um ambiente mais centrado nos EUA", por causa de seu crescimento e as expectativas sobre a política monetária do Fed, disse Mark McCormick, estrategista da TD Securities.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia