Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

combustíveis

06/11/2017 - 20h19min. Alterada em 06/11 às 21h01min

Petrobras anuncia reajuste de 1,9% para a gasolina e 2,3% para o diesel

Em Porto Alegre, litro da gasolina comum chegou a R$ 4,19 na semana passada

Em Porto Alegre, litro da gasolina comum chegou a R$ 4,19 na semana passada


CLAITON DORNELLES /JC
O Grupo Executivo de Mercado e Preços (GEMP) da Petrobras decidiu nesta segunda-feira (6), autorizar reajustes de 1,9% na gasolina e 2,3% para o diesel, uma vez que, para a gasolina, o limite superior de variação de 7% fixado pela política de preços da companhia para decisões da área técnica foi atingido. O reajuste entra em vigor à zero hora desta terça-feira (7). As sucessivas elevações já colocaram o litro da gasolina comum em patamar de quase R$ 4,20 o litro.
Segundo a estatal, o reajuste foi causado principalmente pelo aumento das cotações dos produtos e do petróleo no mercado exterior, influenciado pela geopolítica internacional, assim como pela continuidade da política de contenção da oferta pela Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep). "Além disso, verificou-se uma depreciação do valor do real frente ao dólar", diz.
A avaliação dos representantes do GEMP é que a política de preços definida pela Petrobras tem sido capaz de garantir a "aderência dos preços praticados pela companhia às volatilidades dos mercados de derivados e ao câmbio".
Com os ajustes definidos nesta segunda, a área de marketing e comercialização da Petrobras volta a contar com uma faixa de -7% a +7% para operar os movimentos de preços necessários ao longo do mês. Caso este limite seja novamente ultrapassado, o GEMP realizará novas reuniões ao longo do período. As reuniões de avaliação do GEMP são realizadas, no mínimo, uma vez por mês.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia