Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Conjuntura Internacional

Alterada em 06/11 às 09h35min

Presidente do BC da China diz que há vários riscos ao sistema financeiro do país

A China enfrenta uma série de riscos ao seu sistema financeiro e precisa aprofundar mudanças e se abrir, na avaliação do presidente do Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês), Zhou Xiaochuan. Em artigo publicado no fim de semana no site da instituição, Zhou listou problemas que precisam ser enfrentados, entre eles os altos níveis de endividamento, atividades de empréstimo informal arriscadas e agentes financeiros que realizam conchavos com autoridades.
"No geral, o sistema financeiro do nosso país é bom", afirmou a autoridade. Por outro lado, ele está em um período propenso a riscos, o que gera ameaças que podem estar ocultas, são complexas e podem causar contágios, escreveu. Zhou pediu uma regulação financeira mais centralizada e unificada e para que os mercados sirvam à economia real.
A relação entre a dívida e o Produto Interno Bruto (PIB) da China atingiu 247% no fim de 2016 e a alavancagem do setor corporativo é desproporcionalmente alta, em 165%. Zhou, que deve se aposentar em breve, tem falado sobre os riscos pela frente ao país. Ele já pediu, por exemplo, maior transparência nas finanças públicas da China, em seminário no mês passado.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia