Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 02 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 02/11 às 19h25min

Dólar pouco reage a reforma tributária nos EUA e Powell na presidência do Fed

O dólar teve reação tímida ao projeto de reforma tributária nos Estados Unidos apresentado nesta quinta-feira (2), e à indicação de Jerome Powell para a presidência do Federal Reserve a partir de 2018, em substituição a Janet Yellen.
A moeda americana chegou a fim da tarde levemente desvalorizada frente à divisa japonesa, cotada a 114,08 ienes, de 114,13 ienes ontem, enquanto o euro subia a US$ 1,1664, de US$ 1,1624 na sessão passada.
Os negócios praticamente não foram afetados pelo anúncio feito pelo presidente dos EUA, Donald Trump, revelando sua escolha para o comando do Fed a partir do próximo ano. Já era amplamente esperado pelo mercado a indicação do atual diretor da instituição Jerome Powell.
Mais cedo, os republicanos apresentaram na Câmara americana o projeto de reforma tributária, após os detalhes do documento serem vazados para a imprensa horas antes. A notícia pressionou momentaneamente a moeda americana, que logo voltou a operar perto da estabilidade ente as moedas fortes.
Antes disso, a libra havia caído à mínima em quatro dias em relação ao dólar, reagindo à decisão de política monetária do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês). Apesar de ter elevado sua taxa básica de juros, o BoE emitiu comunicado avaliado como 'dovish' pelos agentes do mercado, que viram sinais de aperto monetário limitado e gradual.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia