Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Dom Jaime Spengler

A voz do Pastor

Notícia da edição impressa de 16/11/2017. Alterada em 15/11 às 21h51min

'Não permitamos que nos roubem a esperança'

No último dia 12 de novembro se celebrou, em Santa Maria, a 74ª Romaria da Medianeira. Um número impressionante de peregrinos de várias partes do Rio Grande do Sul se fez presente naquele momento de fé. E não só do Estado, também da Argentina havia um grupo.
O Santuário de Nossa Senhora Medianeira vai se tornando um ponto de convergência para muitos homens e mulheres marcados pela fé. Impressiona a devoção do povo. Qual a razão da confiança, do carinho, do respeito do povo para com a figura de Maria? Ela é, certamente, discípula da primeira hora; acompanhou de perto os acontecimentos do mistério da salvação, participou da constituição das primeiras comunidades de fé e presenciou os desafios e crises da Igreja nascente. Por isso, "se queremos ser cristãos, devemos ser marianos; isto é, devemos reconhecer a relação essencial, vital e providencial que une Nossa Senhora a Jesus e que nos abre o caminho que leva a Ele" (Paulo VI).
Também hoje somos desafiados por diversas situações que marcam as vidas social e eclesial. É difusa a convicção de que a falta de ética, cuja maior expressão atual é a corrupção, está instalada há décadas em diferentes âmbitos da sociedade.
Cresceu a apatia, o desencanto e o desinteresse pela atividade política, que está desacreditada devido ao comportamento de alguns agentes políticos que desonram a missão para a qual foram eleitos. Entretanto, é necessário superar tal situação urgentemente. É grave tirar a esperança de um povo!
A superação deste momento histórico requer estadistas, pessoas dispostas ao diálogo sincero e honesto, no qual as expectativas e esperanças encontrem eco. É comum ouvir que o nosso povo é acolhedor e alegre. É verdade! Não se pode, porém, esquecer que o ser humano, independentemente da situação social, aspira vida, e vida em abundância.
A nação não é feita de números, cifras e instituições. Ela é constituída, sobretudo, de pessoas. Mais importante que os votos são os cidadãos; que os indicadores econômicos, são os trabalhadores; que os índices de pobreza, são os pobres. As pessoas não podem ser reduzidas a princípios abstratos. Pessoas possuem um rosto que impele à responsabilidade real e concreta. Os indicadores são úteis e importantes, mas não possuem uma identidade e jamais tocam na carne!
O ser pessoa nos liga uns aos outros, nos torna comunidade. Eis o elemento que precisamos redescobrir em nossa sociedade! A violência crescente promove isolamento, fechamento e individualismo.
Uma compreensão limitada do que é autêntica liberdade promove uma sociedade desenraizada e priva do senso de pertença e corresponsabilidade. Uma sociedade civil será viva e vigorosa quanto mais for capaz de acolher as diferenças e os dons de cada um de seus membros; se for capaz de gerar novas vidas, cultura, trabalho digno, desenvolvimento e integração.
O resgate da ética, da justa compreensão do que significa ser pessoa inserida numa comunidade e do bem comum constitui a base para a construção de uma nação justa, solidária e fraterna.
No último fim de semana, uma multidão de gaúchos e de gaúchas presente em Santa Maria contemplava e meditava as palavras de Maria aos discípulos e discípulas da comunidade nascente: "Façam tudo o que meu Filho vos disser". Não podemos deixar que nos roubem a esperança! Por isso, contemplamos Maria. Ela, no seu jeito simples, continua repetindo: "Façam tudo o que meu Filho vos disser".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Dorian R. Bueno 20/11/2017 11h20min
HOSPITAL CONCEIÇÃO LEITO 5361nnMeu Paizão Aderli Piazza Bueno, 79 anos, 33 Kgs está numa cama na emergência de um hospital aqui em P.Alegre. Conforme a médica do plantão de ontem, ela falou que a situação é gravíssima e que somente Deus para lhe salvar. Ela também disse que ele está sem força física para suportar mais alguns segundos, minutos, horas até ser deslocado para um leito mais estruturado. Que Deus possa agir neste momento para o meu Paizão ser abençoado e vencer mais esta dificuldade. Amém. Abs. Dorian Buenonnn