Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 22 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições

Notícia da edição impressa de 23/10/2017. Alterada em 22/10 às 23h19min

Ao votar, eleitor faz, sem saber, 'doação' a legendas

Somadas as duas fontes de recursos públicos do financiamento político - os fundos partidário e eleitoral -, pode-se dizer que, ao votar para a Câmara dos Deputados em 2014, cada eleitor fez, sem saber, uma "doação" indireta de R$ 32,52 para a legenda contemplada, ao longo de quatro anos. Em 2010, esse repasse indireto também ocorreu, mas a quantia referente a cada voto foi menor: R$ 18,52, em valores atualizados pela inflação, para permitir comparação.
A diferença se deve a uma explosão no repasse de recursos públicos para os partidos políticos. Nos quatro anos encerrados em 2014, as dotações do Fundo Partidário totalizaram R$ 1,8 bilhão, em valores de hoje. Nos quatro anos que se encerrarão em 2018, a quantia terá saltado para R$ 3,2 bilhões.
Acrescente-se a isso o valor do recém-criado fundo eleitoral, e o total de recursos públicos destinados aos partidos chegará a pelo menos R$ 4,9 bilhões. Considera-se nessa conta o valor de R$ 1,7 bilhão para o fundo eleitoral. O texto da lei, porém, não é claro quanto ao total de recursos destinado ao financiamento de campanhas. Alguns parlamentares projetam que o fundo poderá receber cerca de R$ 2 bilhões. 
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia