Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de outubro de 2017. Atualizado às 16h56.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Crise no Planalto

Alterada em 17/10 às 18h01min

Governistas esvaziam CCJ e só oposição discursa a favor de denúncia contra Temer

Governistas querem votar relatório de Bonifácio de Andrada (d) ainda hoje

Governistas querem votar relatório de Bonifácio de Andrada (d) ainda hoje


Will Shutter/Câmara dos Deputados/JC
Já dura mais de sete horas a sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para analisar o parecer que pede a rejeição da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer. Os governistas estão adotando a estratégia de esvaziar a sessão desta terça-feira (17) com o objetivo de garantir a votação do parecer do tucano Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) nesta quarta-feira (18).
Nesta tarde falou na comissão a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ), última governista a pedir tempo para discursar. "Com que interesses o senhor Rodrigo Janot mais uma vez escreve laudas e laudas de conversa fiada, com provas ineptas que ele sabe que não deve prosperar, de fatos pretéritos ao mandato presidencial?", criticou a deputada. Em um discurso breve, a deputada disse que seu voto seria para proteger a presidência da República e não Temer.
Neste momento, não há mais nenhum governista inscrito para discursar na sessão. Nada impede, no entanto, que outros aliados do governo peçam para se inscrever no decorrer dos trabalhos desta terça-feira. Para acelerar a apreciação da denúncia na comissão, poucos governistas se inscreveram para discursar na sessão. Os que discursaram tentaram ser breves na manifestação.
Ainda restam 28 oposicionistas aguardando a oportunidade de defender o prosseguimento da denúncia da Procuradoria-Geral da República. "Temer deu o golpe e já não tem mais base para prosseguir defendendo o governo", discursou o deputado Paulo Teixeira (PT-SP).
O deputado Fábio Sousa (PSDB-GO) foi um dos primeiros tucanos a falar na sessão e a defender a admissibilidade da denúncia. O deputado defendeu a aprovação de uma nova legislação que permita o processamento de um presidente da República sem autorização prévia do Parlamento. "Não pode o Brasil ficar parado por causa de uma denúncia do Ministério Público Federal", pregou.
Há pouco, o deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS) protocolou o quinto voto em separado defendendo o prosseguimento da segunda denúncia contra Temer.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia