Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de outubro de 2017. Atualizado às 15h51.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Funcionalismo

Alterada em 09/10 às 15h55min

Municipários de Porto Alegre decidem sobre continuidade da greve nesta terça-feira

Reunião com vice-prefeito no Paço Municipal deve definir rumos da paralisação

Reunião com vice-prefeito no Paço Municipal deve definir rumos da paralisação


MARCELO G. RIBEIRO/ARQUIVO/JC
Paulo Egídio
Em greve desde a última quinta-feira (5), o Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa) avalia nesta terça-feira (9), às 15h, em assembleia, se deve seguir com a paralisação ou retomar o regime normal de trabalho. Uma reunião marcada para as 9h, no Paço Municipal, entre o comando de greve e o vice-prefeito da Capital, Gustavo Paim, deve definir os rumos do movimento.
Na manhã desta segunda-feira (9), os sindicalistas se reuniram com a Mesa-diretora da Câmara Municipal de Porto Alegre e alguns vereadores, e entregaram um documento solicitando aos parlamentares que indiquem ao prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) a retirada de tramitação de alguns projetos que modificam a estrutura e a carreira do funcionalismo.
A diretora-geral do Simpa, Luciane Pereira, deixa em aberto a possibilidade de seguir com a greve. “Vamos avaliar junto à categoria a partir do que conseguirmos avançar na reunião com a prefeitura”, diz.
Luciane afirma ainda que o sindicato procura reverter a liminar obtida pela prefeitura no primeiro dia do movimento, que assegura o funcionamento em 100% dos serviços considerados essenciais. “Entramos com um pedido de defesa pois essa decisão revoga o direito à greve”, explica, ressaltando que o Simpa não foi notificado sobre a multa de R$ 100 mil prevista em caso de descumprimento da determinação judicial.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia