Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 31/10/2017. Alterada em 30/10 às 19h27min

Praia de Belas, nem tão belas assim

Nilton Santos
Desde que vim morar em Porto Alegre, sempre indaguei por que a avenida Praia de Belas tinha esse nome. Como estudei alguns anos no então Colégio Dom João Becker - anexo do Pão dos Pobres -, sabia que o rio Guaíba vinha até o portão do colégio, onde atualmente é a avenida Praia de Belas. Os anos se passaram e acabei indo residir na avenida Bastian, quase Praia de Belas, e desde então comecei a pesquisar o tema. Seria ali uma praia frequentada só por belas mulheres, ou o nome seria uma referência às belas paisagens? Pesquisando e ouvindo relatos, descobri que tudo não passava de folclore.
No trajeto, onde hoje é a Praia de Belas - que outrora foi uma praia -, foi construída uma estrada para ligar o bairro Menino Deus até a Ponte dos Açorianos e, por consequência, ao Centro de Porto Alegre. Em 1863, Porto Alegre tinha cerca de 20 mil habitantes, e crescia, principalmente, em direção à Zona Sul. Já possuía um arrabalde de luxo, que era o Menino Deus, com vivendas e chácaras. Aumentava o número de moradores na região, e era intenso o movimento de todos os transportes - cavalos, burros, carroças, tílburis e jardineiras, e mais os cargueiros -, com mercadorias chacareiras para o mercado e particulares. O proprietário da chácara onde havia um balneário usado pelos moradores do Menino Deus, Luiz Antônio Rodrigues de Bellas, que em 1831 foi procurador da Santa Casa de Misericórdia, abriu uma estrada para melhorar o deslocamento da população do balneário de Belas até o Centro, que ficou conhecido como o Caminho de Belas. Hoje, a Praia de Belas não tem mais praia, mas, em compensação, por ali transitam belas mulheres, a pé ou de automóvel. As chácaras acabaram. As vivendas, restam uma ou outra. Hoje, a região é formada por dois bairros: Menino Deus e Praia de Belas. Já o sobrenome de Luiz Antônio Rodrigues de Bellas deve-se ao fato de seus antepassados terem vindo de Bellas, antiga freguesia de Sintra, em Portugal. Praia de Belas: na história, nada a ver com belas mulheres. Na prática, tudo a ver.
Jornalista e cientista político
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia