Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 31 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

estados unidos

Alterada em 31/10 às 14h38min

Não busco redução gradativa do imposto corporativo, diz Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou há pouco que não está buscando uma redução em etapas ou gradativa do imposto corporativo, parte do projeto da reforma tributária de seu governo. "Espero que isso não aconteça", declarou, sugerindo que pretende realizar a alteração em apenas uma tacada.
Ontem, circularam rumores de que os deputados republicanos não planejariam um corte imediato dos atuais 35% no imposto corporativo para os 20% desejados pela Casa Branca. Em vez disso, haveria um corte gradual de três pontos porcentuais a cada ano, chegando à faixa dos 20% somente em 2022.
O republicano falou com repórteres após reunião na Casa Branca com autoridades do governo, como o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e líderes do Partido Republicano, às vésperas da divulgação do plano tributário.
Trump ainda disse estimar que o Congresso aprove a reforma tributária até o fim de novembro e que a promulgação da lei deve ocorrer "até o Natal".
O presidente americano ainda elogiou a pujança do mercado acionário desde sua posse, com vários recordes históricos dos índices de Wall Street.
Questionado, Trump não quis responder sobre o ex-diretor de sua campanha presidencial Paul Manafort e sobre o ex-assessor George Papadopoulos. Ambos foram acusados em meio a investigações sobre a suposta interferência da Rússia na campanha presidencial americana do ano passado.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia