Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 26 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Oriente Médio

Notícia da edição impressa de 27/10/2017. Alterada em 26/10 às 23h04min

Iraque rejeita 'congelamento' de plebiscito curdo

O primeiro-ministro do Iraque, Haider al-Abadi, reiterou, nesta quinta-feira, que não aceitará a oferta da liderança curda de "congelar" o resultado do plebiscito de independência realizado no fim de setembro. Na quarta-feira, além da suspensão dos efeitos do plebiscito, o Governo Regional do Curdistão (GRC) propôs um imediato cessar-fogo e o início de um "diálogo aberto com o governo federal baseado na Constituição iraquiana".
"Não aceitaremos nada menos que o cancelamento (do plebiscito) e o respeito à nossa Constituição", afirmou o premiê em um comunicado. Em 17 de setembro, 92% dos curdos que vivem no Iraque e em áreas que estão sob o domínio do GRC votaram a favor da independência.
O governo central em Bagdá considera a causa separatista curda - o maior povo sem uma pátria do mundo - ilegal e tem adotado medidas retaliatórias, como a suspensão de voos internacionais a aeroportos da região autônoma e a decretação de prisão do presidente e de dois membros da comissão responsável pela organização do pleito.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia