Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Trânsito

Notícia da edição impressa de 26/10/2017. Alterada em 25/10 às 22h08min

Carros abandonados estão parados em corredor de ônibus

Veículo está há meses na via pública e já teve partes furtadas

Veículo está há meses na via pública e já teve partes furtadas


MARCO QUINTANA/JC
Igor Natusch
Não é de hoje que a pista central de um trecho da avenida Teresópolis, na zona Sul de Porto Alegre, transformou-se em estacionamento. A faixa de cerca de 1,5 quilômetro, construída em concreto e planejada para um corredor de ônibus, não vem sendo utilizada para sua destinação original, e acaba virando vaga para moradores ou frequentadores do comércio das redondezas. O problema é que, aparentemente, há pouco controle sobre os carros que ficam no espaço.
A reportagem do Jornal do Comércio esteve no local no final da última semana e constatou grande número de veículos no local, incluindo alguns com claros sinais de abandono. Um Escort, em especial, já teve itens removidos, como o para-choque e as lâmpadas dianteiras. O veículo, segundo frequentadores da área, encontra-se no local pelo menos desde fevereiro deste ano.
Por meio de assessoria, a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) explica que, até três meses atrás, balizadores delimitavam a área dos corredores ainda não utilizados. Desde então, uma pintura serve para demarcar a área não utilizada. Segundo o órgão, o estacionamento no local é permitido, e será autorizado enquanto as linhas de ônibus não fizerem uso da pista, o que não tem data para ocorrer. Para que a pista exclusiva entre em funcionamento, ainda faltam obras viárias como a interligação com o corredor da Terceira Perimetral e, em um segundo momento, instalação de guarda-corpos e paradas de ônibus.
A fiscalização da EPTC diz que tem tomado ações para evitar que a área seja usada para descarte de veículos, mas que a identificação de carros abandonados é um processo demorado, e algumas situações podem não ser percebidas imediatamente. Cabe aos agentes de trânsito constatar se o veículo apresenta características de abandono, como más condições de conservação e estar há mais de 30 dias no mesmo local. A partir daí, há tentativas de notificar o proprietário e, posteriormente, o veículo é guinchado e levado ao depósito municipal, podendo posteriormente ir a leilão. Alertas sobre veículos abandonados podem ser feitos diretamente com a EPTC, pelo número 118.
O corredor está inserido no pacote de obras da avenida Tronco, e envolve a interligação entre a Segunda e a Terceira perimetrais. Apenas após a entrega da Tronco, a pista, originalmente prevista para usar o sistema Bus Rapid Transit (BRT), passará a receber viagens de ônibus. No momento, apenas cerca de 30% da duplicação da Tronco está concluída, e as obras encontram-se paradas há pelo menos um ano. Além da falta de recursos financeiros, outro empecilho para a conclusão é a interrupção no processo de realocação das famílias que residem na área. A extensão prevista é de 5,3 quilômetros, conectando os bairros Teresópolis, Vila Cruzeiro e Cristal.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia