Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Infraestrutura

Notícia da edição impressa de 25/10/2017. Alterada em 24/10 às 21h47min

Obras da ponte do Guaíba podem parar em novembro

Trabalhos avançam com apenas 30% da capacidade prevista

Trabalhos avançam com apenas 30% da capacidade prevista


JONATHAN HECKLER/JONATHAN HECKLER
Igor Natusch
Já em ritmo lento, devido à escassez de recursos repassados pelo governo federal, as obras na nova ponte do Guaíba podem parar completamente a partir do mês que vem. A superintendência gaúcha do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit-RS) confirmou que condiciona a continuidade das obras à efetivação de mais R$ 59 milhões junto ao Ministério dos Transportes, montante considerado fundamental para fechar os custos referentes ao ano de 2017. Se esse valor não chegar até o começo de novembro, o órgão afirma que existe a chance de interromper os trabalhos.
Até o momento, R$ 64 milhões foram empenhados nas intervenções, apenas parte do montante previsto para este ano. Em junho, o governo federal injetou R$ 29 milhões, valor que permitiu manter a atividade no canteiro de obras por mais alguns meses. O avanço, porém, é lento, com apenas 30% da capacidade prevista de trabalho. De acordo com o Dnit-RS, a nova ponte está 54% concluída.
Iniciada em outubro de 2014, a obra tinha previsão inicial de conclusão para setembro de 2017, mas uma série de atrasos nos repasses da União acabou desacelerando o processo. A mais recente interrupção ocorreu na metade do ano passado, quando praticamente não foi registrada movimentação no canteiro de obras entre os meses de junho e outubro. Desde então, não houve parada total, mas o ritmo nunca mais se igualou ao verificado no início, quando cerca de 500 funcionários trabalhavam na empreitada. Além de manter a construção em dia, há necessidade de reassentar um total de 534 famílias e 28 pontos de comércio, atualmente localizados na Ilha Grande dos Marinheiros.
Desde o começo das obras, foram investidos cerca de R$ 388 milhões no projeto. Quando concluída, a ponte deve ter 12,3 quilômetros de extensão, com cinco quilômetros referentes a acessos e o restante à estrutura propriamente dita. A pista, por sua vez, será composta de quatro faixas e 28 metros de largura. As obras estão a cargo da construtora Queiroz Galvão. O custo total previsto para a nova ponte do Guaíba fica em torno dos R$ 750 milhões.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia