Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Educação

Notícia da edição impressa de 24/10/2017. Alterada em 23/10 às 21h47min

Bloqueio de coordenadorias regionais no Rio Grande do Sul impede realização da Prova Brasil

O governo do Estado lamentou, em coletiva de imprensa, a decisão do Cpers/Sindicato de bloquear a entrada às Coordenadorias Regionais de Educação (CREs) espalhadas pelo Rio Grande do Sul na manhã de ontem. De acordo com a secretária adjunta de Educação, Iara Wortmann, o bloqueio fez com que alunos do 5º ano de diversas escolas não pudessem realizar a Avaliação Nacional do Rendimento Escolar, conhecida como Prova Brasil. A secretária espera que as próximas etapas do exame nacional não sejam prejudicadas. "Estamos envergonhados de mostrar que o Rio Grande do Sul não pôde fazer a prova em algumas escolas", lamentou.
O chefe da Casa Civil, Fábio Branco, afirmou que o governo se mantém aberto ao diálogo, argumentando que a greve não contribui com o crescimento do Estado. Para Branco, a bloqueio é uma ação político-partidária, que gera prejuízo aos alunos. A ação ocorreu em resposta à decisão da Secretaria Estadual da Educação
(Seduc), que ofereceu aos estudantes, principalmente das séries finais dos ensinos Fundamental e Médio, trocarem de escolas com atividades paralisadas. Ele também disse esperar que uma solução definitiva seja apresentada em um futuro próximo, considerando a adesão ao Plano de Recuperação Fiscal. Uma nova reunião entre o governo e o sindicato foi marcada para hoje, às 16h, na Seduc.
A greve dos professores estaduais começou no dia 5 de setembro. De acordo com o sindicato, foram realizadas quatro audiências com o governo e "em nenhuma delas houve algum tipo de proposta justa para as reivindicações".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia