Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de outubro de 2017. Atualizado às 10h46.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

greve

05/10/2017 - 08h57min. Alterada em 05/10 às 10h50min

Liminar garante funcionamento integral dos serviços essenciais durante greve na Capital

Primeiro dia de greve dos servidores municipais iniciou com concentração da categoria em frente ao HPS

Primeiro dia de greve dos servidores municipais iniciou com concentração da categoria em frente ao HPS


Bruna Oliveira/Especial/JC
O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul concedeu liminar, em favor da prefeitura de Porto Alegre, assegurando o funcionamento em 100% para manutenção integral dos serviços considerados essenciais durante o período de greve dos municipários, iniciada nesta quinta-feira (5).
De acordo com a decisão, divulgada na manhã de hoje, os serviços de segurança pública, assistência médica e hospitalar, comercialização e distribuição de medicamento e alimentos, abastecimento de água, saneamento, e captação de tratamento de esgoto e lixo deverão ter assegurada a manutenção integral de suas atividades.
A multa aplicada ao Sindicato dos Municipários (Simpa) será no valor de R$ 100 mil por dia em caso de descumprimento da decisão.
Uma caminhada dos servidores municipais marca o primeiro dia de greve da categoria. Os municipários se reuniram desdo início da manhã desta quinta em frente ao Hospital de Pronto Socorro de Porto Alegre (HPS), de onde partiram em passeata para o Centro da Capital, para concentração em frente à Prefeitura. A manifestações da categoria ocorre contra parcelamento de salários e privatizações do governo de Nelson Marchezan Júnior. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia