Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 30/10 às 08h44min

Cobre opera em alta, beneficiado pelo dólar mais fraco

O cobre opera em alta na manhã desta segunda-feira (30), com os metais básicos se beneficiando do dólar mais fraco.
O cobre para três meses subia 0,2%, a US$ 6.859,50 a onça-troy, na London Metal Exchange (LME), às 8h15min (de Brasília). O cobre para dezembro, por sua vez, avançava 0,19%, a US$ 3,1095 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), às 8h35min.
O recuo do dólar torna as commodities, como o cobre, mais baratas para os detentores de outras moedas. Isso aumenta a demanda dos investidores pelo metal.
Analistas dizem que o rali do cobre neste ano - ele sobe 24% desde janeiro - deve continuar, já que a economia global melhora e o mercado enfrenta restrições à oferta.
"Apoiado pelos anos recentes de investimento insuficiente em novos projetos de mineração, nós acreditamos que o cobre entra em um sustentável viés de alta", afirmaram em relatório analistas do ICBC Standard Bank. O banco estima que problemas em minas levaram a uma perda de 1,89 milhão de toneladas na produção até agora neste ano, acima do 1,8 milhão de todo o ano de 2016.
Ainda nesta semana, operadores aguardam pela decisão de juros do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), na quarta-feira. Investidores preveem em sua grande maioria a manutenção dos juros agora, mas uma alta em dezembro, segundo os dados monitorados pelo CME Group.
Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco subia 1,1%, a US$ 3.207,50 a tonelada, o alumínio recuava 0,30%, a US$ 2.177,50 a tonelada, o estanho tinha alta de 0,7%, a US$ 19.885 a tonelada, o níquel avançava 0,1%, a US$ 11.600 a tonelada, e o chumbo caía 0,5%, a US$ 2.420 a tonelada. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia