Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 26 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

energia

Alterada em 26/10 às 21h09min

Engie Brasil registra lucro líquido de R$ 358 milhões no 3º trimestre, queda de 9,8%

A Engie Brasil Energia reportou um lucro líquido de R$ 358 milhões no terceiro trimestre deste ano, o que corresponde a uma queda de 9,8% na comparação com os R$ 396,9 milhões anotados em igual período de 2016. Com isso, no acumulado do ano, os ganhos da geradora de energia somam R$ 1,3 bilhão, alta de 21,2%.
O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) recuou 11,9% entre agosto e setembro, frente igual etapa de 2016, para R$ 710,8 milhões, totalizando R$ 2,45 bilhões em nove meses, o que corresponde a um aumento de 4,3%. Já a margem Ebitda caiu 7,4 pontos porcentuais no trimestre e alcançou 43%. No acumulado do ano, o indicador alcançou 49,6%, alta de 0,4 p.p.
A receita líquida de vendas ficou em R$ 1,655 bilhão no terceiro trimestre, o que corresponde a um aumento de 3,2% frente igual etapa do ano passado. No ano até setembro, a receita totalizou R$ 4,94 bilhões, alta de 3,5%.
A companhia registrou receitas financeiras de R$ 38,6 milhões entre agosto e setembro, 62,6% inferiores às anotadas no mesmo período do ano passado. Já as despesas financeiras recuaram 47,2%, para R$ 89,1 milhões.
Em mensagem da administração que acompanha o relatório de desempenho, o diretor-presidente da companhia, Eduardo Sattamini, e o diretor financeiro Carlos Freitas destacaram que o resultado do trimestre foi impactado pelas operações de curto prazo - em especial as transações na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), principalmente devido à crise hidrológica e o consequente despacho termelétrico, que influencia o Fator de Ajuste da Energia Assegurada (GSF).
"Mesmo com receita líquida de vendas crescendo 3,2%, e volume de energia vendida subindo 1,9%, o reflexo das transações na CCEE respondeu por grande parte da redução de 11,9% no Ebitda do terceiro trimestre", disseram, dando a mesma justificativa para a queda do lucro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia