Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 26 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Tecnologia

Alterada em 26/10 às 09h53min

Lucro ajustado e receita do Twitter superam previsão no 3º trimestre

O Twitter apresentou prejuízo líquido de US$ 21,1 milhões no terceiro trimestre, o equivalente a US$ 0,03 por ação, sendo a menor perda trimestral desde que passou a ser negociado em bolsa. No mesmo período do ano passado, o prejuízo foi maior, de US$ 103 milhões. O lucro ajustado foi de US$ 0,10 por ação no último trimestre, superando a expectativa de analistas consultados pela FactSet, que esperavam ganho de US$ 0,06 por ação.
A receita, por sua vez, registrou queda: entre julho e setembro de 2016, foi de US$ 616 milhões, passando para US$ 590 milhões no mesmo período deste ano, em um recuo de 4,2%. No entanto, a companhia superou as previsões de receita a US$ 587 milhões, de acordo com a FactSet. A queda já era esperada, tendo em vista que, nesse período no ano passado, a companhia foi beneficiada pela Olimpíada do Rio de Janeiro e pela campanha eleitoral dos Estados Unidos, que motivaram o debate na plataforma.
No entanto, o principal item a surpreender no balanço da companhia foi o número de usuários ativos. De acordo com o Twitter, no terceiro trimestre houve 330 milhões de usuários ativos mensais, superando a previsão dos analistas ouvidos pela FactSet, de 329,6 milhões. Além disso, houve a adição de 4 milhões de usuários mensais, superando a expectativa de pouco mais de um milhão dos analistas. Já os usuários médios diários aumentaram 14% no ano, mostrando uma aceleração em relação à alta de 12% registrada no segundo trimestre deste ano.
O resultado foi comemorado pelo diretor-executivo (CEO) da companhia, Jack Dorsey. "Fizemos progresso em três áreas chave do nosso negócio: aumentamos a audiência e o engajamento, avançamos no retorno ao crescimento da receita e conseguimos rentabilidade recorde", comentou. Dorsey disse estar orgulhoso de que as melhoras na rede social "continuem a trazer as pessoas de volta ao Twitter diariamente" e apontou que "estamos focados em tornar nosso serviço mais rápido, mais fácil de usar e mais relevante para mais pessoas todos os dias". A rede social tem investido em iniciativas como vídeos ao vivo e aumentou as parcerias com festivais de música e programas de TV em âmbito global.
A companhia também admitiu ter inflado o número de usuários ativos mensais desde o fim de 2014, com alguns provenientes de outro serviço. Isso, no entanto, não impediu o forte avanço da ação do Twitter no pré-mercado em Nova York: às 9h40 (de Brasília), o papel da companhia saltava 8,52%, a US$ 18,60. No ano, ações de tecnologia têm se mostrado mais fortes do que as de empresas de outros setores, com algumas delas apresentando valorização superior a 50%. No entanto, o Twitter vem se mantendo como o "patinho feio" da indústria, ao apresentar, até o momento, avanço de 5,15% no ano.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia