Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

Alterada em 24/10 às 19h24min

Relatório da MP do PDV federal prevê pagamento em parcela única a quem aderir

O relator da medida provisória que criou o Programa de Desligamento Voluntário (PDV) do governo federal, senador João Alberto Souza (PMDB-MA), entregou nesta terça-feira (24), seu relatório com algumas mudanças no texto original enviado pelo governo, entre elas a previsão de que a indenização ao servidor que aderir seja paga em uma só vez, e não em parcelas, como deseja o governo. A mesma mudança é prevista no caso da licença incentivada. O relatório foi pautado para ser votado nesta quarta-feira (25), na comissão especial da MP 792.
Os servidores que pedirem exoneração pelo programa terão direito a 1,25 salário mensal por ano trabalhado. A licença sem remuneração será incentivada com o pagamento de três salários. A intenção do governo é que esse valor seja pago em parcelas que não ultrapassem o salário mensal do servidor, de forma a não impactar o Orçamento público.
Em seu relatório, no entanto, acolhe emendas que modificam o texto para que o pagamento seja feito de uma só vez. "A experiência com programas semelhantes anteriores demonstra a existência de desconfiança quanto ao recebimento dos pagamentos devidos, o que pode desestimular a adesão ao programa por parte dos servidores", justifica o deputado, no relatório.
O relator também incorpora outras emendas propostas, como a necessidade de o governo deixar claro a suficiência de servidores nas funções abrangidas pelo PDV. Foi retirada ainda previsão de que o Ministério do Planejamento definiria metas para o programa. "A despeito de sua intenção positiva de racionalizar os programas do PDV, poderá haver o indevido estímulo e cobrança de que os agentes públicos superiores incentivem seus subordinados a aderir", afirma.
Foi incluído ainda prazo de 30 dias após a publicação da lei orçamentária anual para a publicação de um cronograma de futuros PDVs pelo Ministério do Planejamento, entre outras alterações.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia