Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Alterada em 24/10 às 14h53min

Aneel aceita transferência de obras da Eletrosul

Obras totalizam 2,1 mil km de linhas de transmissão e capacidade de transformação de 4.781 MVA

Obras totalizam 2,1 mil km de linhas de transmissão e capacidade de transformação de 4.781 MVA


JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
Jefferson Klein
Uma boa notícia para o setor elétrico gaúcho foi confirmada nesta terça-feira durante reunião da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O órgão regulador aceitou a transferência do controle de várias obras de transmissão da Eletrosul não iniciadas no Rio Grande do Sul para a Shanghai Electric. A perspectiva agora é que os chineses iniciem no próximo ano a construção dos empreendimentos.
Os projetos contemplam oito linhas de 525 kV; nove linhas de 230 kV; três subestações em 525 kV e cinco subestações em 230 kV. Todos os complexos serão executados em solo gaúcho. As obras totalizam 2,1 mil quilômetros de linhas de transmissão e capacidade de transformação de 4.781 MVA, com investimento total de R$ 3,3 bilhões. Essas estruturas deveriam, pelo contrato inicial, serem terminadas até 6 de março de 2018 (o que não será viável).
A Shanghai Eletric terá seis meses para criar uma Sociedade de Propósito Específico (SPE) no País. A Eletrosul será acionista da nova empresa, mas sua participação será limitada ao montante investido até a transferência do controle após a constituição da SPE. O prazo para concluir as obras será de 48 meses, e o contrato de concessão terá duração de 27 anos. Se conseguir concluir as linhas em até 36 meses, a SPE terá direito à Receita Anual Permitida (RAP) integral pelo prazo da concessão.
As obras são consideradas como fundamentais para que vários projetos de geração de energia no Estado saiam do papel. Sem os novos complexos de transmissão, o Estado teria em breve problemas para escoar grandes volumes de energia para outras regiões brasileiras.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia