Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

empresas

Alterada em 23/10 às 16h54min

Trabalhadores da Samarco aprovam nova prorrogação de layoff, até março de 2018

Empregados da Samarco aprovaram em assembleias realizadas nesta segunda-feira pelos sindicatos Metabase (Mariana/MG) e Sindimetal (ES), a continuidade do layoff na empresa por mais cinco meses. O regime agora irá de 1º de novembro deste ano a 31 de março de 2018. No dia 5 a empresa completará dois anos com as atividades paralisadas, desde o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG).
De acordo com a empresa, os empregados que vão continuar em layoff terão os direitos atuais garantidos, recebendo o valor correspondente à sua renda líquida mensal. O atual período de layoff teve início em 1º de junho deste ano.
Desde que as atividades da Samarco foram paralisadas, em novembro de 2015, a empresa recorreu a mecanismos como licença remunerada, férias coletivas e suspensão dos contratos de trabalho. Hoje, a empresa tem cerca de 1.800 empregados próprios, dos quais cerca de 800 estão com os contratos suspensos.
Para voltar a operar, a Samarco precisa obter duas licenças ambientais. A companhia informa que já protocolou, junto à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad), o pedido de Licenciamento Operacional Corretivo (LOC) do Complexo de Germano e o pedido de licença para disposição de rejeitos na Cava de Alegria Sul.
Os processos de licenciamento ambiental estão em andamento e não há data prevista para a retomada das operações.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia