Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 19 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

19/10/2017 - 10h27min. Alterada em 19/10 às 10h47min

Projeto autoriza reajuste em plano de saúde de idosos

Relator apoia mudança na lei que libera reajuste de planos para quem tem mais de 60 anos

Relator apoia mudança na lei que libera reajuste de planos para quem tem mais de 60 anos


JONATHAN HECKLER/JC
Relatório apresentado na Câmara dos Deputados para reformular a Lei de Planos de Saúde prevê o fim da proibição do reajuste de mensalidade após os 60 anos. O texto, preparado pelo deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), permite que o reajuste seja feito, passada essa faixa etária, em cinco parcelas quinquenais. O texto também prevê reduzir o valor de multas pagas pelas operadoras em caso de negativa de atendimento.
O relatório, com quase 200 páginas, muda de forma significativa a lei atual, de 1998. Feito após 12 reuniões públicas, o texto agora aguarda a contribuição de deputados. Elas poderão ser feitas por meio de destaques e votos em separado. No reajuste, para evitar abusos, a proposta estabelece que o valor da última faixa de aumento por idade seja, no máximo, seis vezes maior do que a mensalidade paga pelo grupo mais jovem. Dos 47,3 milhões de usuários de planos, 13% são idosos.
A ideia, que tem aprovação do ministro da Saúde, Ricardo Barros, é vista com cautela por especialistas de Saúde e Defesa do Consumidor. Barros afirmou ser favorável à revisão. "Não tem almoço grátis", disse o ministro, na ocasião. "É preciso avaliar ainda o texto para saber se a medida será benéfica ou não ao usuário do plano", diz Igor Britto, advogado do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec).
Já Solange Mendes, presidente da Federação Nacional de Saúde Suplementar, elogia. "É um ganho enorme para o consumidor. Em vez que de ter reajuste de mil moedas em um único ano ele vai ter aumento de 200 moedas durante cinco anos. E assim gradativamente até completar 20 anos (após os 60)", garante Solange.
Além do fim do veto do reajuste a idosos, o texto prevê reduzir o valor das multas pagas por operadoras em caso de negativa de atendimento, um dos motivos que mais levam consumidores a acionar a Justiça. Pela proposta, a multa não poderá exceder dez vezes o valor do procedimento. E, em caso de reincidência, no máximo 30 vezes o valor do procedimento. Para Mário Scheffer, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), isso incentiva a negativa. "A lei tem como finalidade justamente impedir que uma conduta seja posta em prática. A proposta dá recado oposto: recusem que a multa não será muito alta."
Marinho ainda prevê que uma liminar para conceder tratamento negado pelo plano seja dada só após o juiz ouvir segunda opinião. "Imagine quando se trata de vaga na UTI ou quimioterapia", alerta Scheffer.
Mudança em ressarcimento para o SUS
O texto do deputado também sugere mudar o ressarcimento ao Sistema Único de Saúde (SUS). Hoje, toda vez em que um paciente com plano é atendido no SUS, a operadora é obrigada a reembolsar o procedimento feito à União. A verba é então encaminhada ao Fundo Nacional de Saúde e aplicada novamente no SUS. A medida é para evitar que, em procedimentos mais caros, se empurre o cliente para a rede pública.
O problema é que boa parte dos recursos é questionada na Justiça. Para tentar reduzir isso, são propostas alterações. A primeira é fazer com que a operadora pague ao próprio prestador de serviço - um hospital, por exemplo - o valor do procedimento, com multa de 25%. Marinho avalia que isso deixa mais ágil e justa a arrecadação. Sugere ainda que o reembolso seja aos Estados e não ao fundo nacional. À reportagem, Barros disse não ver problema nisso.
O deputado também prevê que planos ofereçam vacinação e que usuários tenham desconto quando participarem de programas de promoção da saúde.
O relatório também faz referência à segmentação - planos mais baratos com cobertura reduzida, o que tem sido defendido por Barros. Para Arthur Rollo, da Secretaria Nacional do Consumidor, do Ministério da Justiça, esse modelo preocupa. "Defendemos a cobertura ampla do jeito que é hoje e o barateamento dos planos com outros critérios e não planos com cobertura restrita, que exclui determinadas doenças ou tratamentos." O órgão vai analisar o relatório e dar um parecer até novembro.
Em nota, a Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge) disse que o projeto, como um todo, "é essencial para a sustentabilidade do setor". Procurada, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) disse que ainda analisa o relatório. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
walmor koller 19/10/2017 13h36min
E para quem já está pagando as "mil moedas" como fica? Isso é conversa, sempre o consumidor é lesado, ainda mais quando está velho. Ou seja, passa a vida pagando, quando vai precisar, fazem de tudo para alijar o mesmo do sistema privado, para jogá-lo do SUS. Então porque o governo não fecha de vez estes planos e passa a cobrar mais de quem quer um SUS diferenciado, e deixa estes sanguessugas fora. O pior é que quando vai ver, tem maracutaia envolvida nas decisões.