Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de outubro de 2017. Atualizado às 10h16.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

INOVAÇÃO

Notícia da edição impressa de 17/10/2017. Alterada em 16/10 às 22h21min

Análise de futuro é diferencial competitivo

Catarina Papa criticou a ótica atual que impulsiona a criação

Catarina Papa criticou a ótica atual que impulsiona a criação


/CLAITON DORNELLES /JC
Carolina Hickmann
Antecipar cenários e prever comportamentos dos consumidores, cada vez mais, passam a ser necessidades, dado o avançar do cenário tecnológico, que exige atualizações constantes das empresas. Este é um dos desafios citados pelo diretor do Copenhagen Institute for Future Studies Latin America, Peter Kronstrom, durante o 5º Fórum de Inovação, promovido pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL-RS). Para ele, nos próximos anos, a resiliência das marcas será botada à prova a partir de seu potencial de inovação.
A empreendedora e fundadora da Tabblers, uma plataforma de crowdsourcing, Catarina Papa, lembrou, durante sua fala, que as possibilidades de futuro não são únicas, e são mutáveis. "Falar sobre o futuro é sempre iluminar as possibilidades e gerar hipóteses para a construção de cenários nos quais nos colocamos como agentes da ação", explicou. Para tanto, é necessário que a imaginação e a coleta de dados se juntem, a fim de aventar perspectivas plausíveis para empreendedores e consumidores. Dessa maneira, disse, acontecem as disrupções.
Uma dessas possibilidades, apresentada durante o evento por Kronstrom, são carros autônomos. Acredita-se que até 2050 mais de 6,5 bilhões de pessoas estarão nas cidades, o que levará a uma alteração significativa no transporte urbano. "Provavelmente, teremos a mesma ligação com a locomoção que temos com a internet, ela está ali, disponível. Saber o que vai acontecer se torna um material competitivo", argumentou. Neste sentido, o instituto de Kronstrom trabalha com 14 megatendências, que compreendem desde desenvolvimento demográfico a desenvolvimento econômico.
Para os CEOs da Future Exploreer, Bruno Mac e Paulo Renan, estas disposições podem ser observadas através de pesquisa e coleta de dados. "Às vezes, nos encontramos em um lugar diferente do que queríamos, por ele ser o único que conhecíamos", observou Renan. A coleta de sinais do consumidor auxilia na escolha de futuros possíveis. Atualmente, explicaram, existem sites focados em compilar dados que podem fundamentar tomadas de decisões, como o Singularity Hub e Techrunch.
Catarina também criticou a ótica atual que impulsiona a criação. "Penso em superar meu concorrente através da inovação", disse. Desta maneira, avalia, muitas vezes, o verdadeiro potencial de inovação fica debilitado, uma vez que o potencial disruptivo está ligado a hábitos dificilmente identificáveis, e não ao tradicional. Para a empreendedora, é necessário estar atento à construção coletiva, uma vez que, assim, seria possível agregar diferentes perspectivas acerca de um problema que, muitas vezes, é estrutural de um setor.
O 5º Fórum de Inovação foi realizado na tarde de ontem, na Fiergs, em Porto Alegre, e reuniu um público de mais de 350 pessoas. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Amauri Braga 17/10/2017 11h06min
Participei do evento, e considero que atingiu seu objetivo ao incentivar a prospecção e análise do futuro para a inovação em produtos e serviços. e que não é suficiente prever o futuro, mas ter postura de flexibilidade para enfrentar e adaptar-se a situações imprevisíveis ("black cardas").