Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de outubro de 2017. Atualizado às 15h21.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Desenvolvimento

Alterada em 09/10 às 15h23min

FAO sugere que jovens de países em desenvolvimento não deixem áreas rurais

Agência Brasil
Relatório divulgado hoje (9) pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) sugere que os jovens que vivem nas áreas rurais de países em desenvolvimento não deixem esses locais em busca de empregos nas grandes cidades e aproveitem "o papel fundamental" que essas áreas terão para o crescimento econômico desses países.
De acordo com a nova edição do relatório anual O Estado da Alimentação e da Agricultura no Mundo, "os habitantes das áreas rurais que se deslocam para as cidades provavelmente correrão um maior risco de juntarem-se à população urbana pobre, em vez de encontrar um caminho para sair da pobreza".
A urbanização - em especial das cidades com menos de 500 mil habitantes - representa, segundo a FAO, uma "oportunidade de ouro" para a agricultura desenvolvida nas áreas rurais, em especial para os agricultores familiares. Para que isso aconteça, entretanto, é necessário dar a eles condições para que possam dar conta da demanda que surge a partir desses mercados.
"As políticas e os investimentos públicos de apoio serão essenciais para aproveitar a demanda urbana como motor de um crescimento transformador e equitativo, e as medidas elaboradas para garantir a participação dos pequenos agricultores familiares no mercado devem estar integradas às políticas", diz o relatório.
A FAO acrescenta que o investimento nas áreas rurais também ajudará os países a cumprirem a Agenda 2030 para o desenvolvimento, uma vez que a maioria das pessoas pobres ou que passam fome vivem nessas áreas.
Entre os desafios previstos para aproveitar o potencial das áreas rurais, a FAO sugere três linhas de ação. A primeira está relacionada à execução de políticas que garantam que os pequenos produtores possam satisfazer a demanda alimentar urbana ? é o caso de medidas como o fortalecimento dos direitos à posse de terra e o acesso a crédito.
Em segundo lugar, o estudo aponta a criação de infraestrutura adequada para fazer a ligação das áreas rurais com os mercados urbanos. De acordo com o levantamento da FAO, ?em muitos países em desenvolvimento a falta de estradas rurais, redes elétricas, galpões de armazenagem e sistemas de transporte refrigerado são um grande obstáculo para os agricultores que desejam aproveitar a demanda urbana de frutas frescas, hortaliças, carne e produtos derivados do leite?.
A terceira ação consiste na inclusão de zonas urbanas menores e dispersas nessas conexões ? não apenas megacidades.
Ainda de acordo com a FAO, o apoio a políticas e o investimento nas áreas rurais "para construir sistemas alimentares potentes" pode ajudar também as agroindústrias que estão bem conectadas com as áreas urbanas, de forma a criar emprego e permitir que um maior número de pessoas permaneça e prospere no meio rural.
Novas oportunidades econômicas poderão surgir também das atividades não agrícolas relacionadas à agricultura. É o caso de empresas que processam, refinam, embalam, transportam, armazenam, comercializam ou vendem alimentos; o de empresas prestadoras de serviços como os de irrigação ou plantio; e também das empresas fornecedoras de insumos produtivos, como sementes, ferramentas e equipamentos, e fertilizantes.
O relatório conclui que os centros urbanos menores representam um mercado de alimentos ?muito negligenciado?, quando, na verdade, "metade da população urbana de países em desenvolvimento vive em cidades e povoados com menos de 500 mil habitantes".
O relatório elogia programas brasileiros como os que compram a produção de agricultores familiares para compor a merenda escolar oferecida pelas escolas públicas. Sem citar nominalmente o programa de Seguro Rural, elogia também "ferramentas de gerenciamento de riscos" que resultam na proteção de ativos de produtores mais pobres.
"Outras inovações agora amplamente aplicada incluem a ligação de esquemas públicos de compras de alimentos à alimentação escolar. É o caso de programas de apoio a pequenos agricultores familiares fornecedores que têm como pioneiro o Brasil. Proteção social e ferramentas de gerenciamento de riscos para regiões rurais pobres, bem como para famílias agrícolas, promovem inclusão e transformações rurais por meio da proteção de ativos", diz o relatório.
Em outro momento, o relatório diz que "nos países onde existe um grande setor comercial, como o Brasil, as fazendas menores são mais produtivas que as fazendas maiores, mas não mais produtivas que as fazendas comerciais de grande escala".
O relatório da FAO apresentou alguns números que retratam a evolução e a situação atual da alimentação e da agricultura no planeta. O documento afirma que a demanda dos mercados urbanos é crescente e, atualmente, representa até 70% dos abastecimentos nacionais de alimentos.
Segundo a publicação, a população rural do mundo em desenvolvimento aumentou em 1,5 bilhão de pessoas entre 1960 (1,6 bilhão de pessoas) e 2015 (3,1 bilhões de pessoas). Atualmente as grandes cidades (de 5 a 10 milhões de habitantes) e as megacidades (com mais de 10 milhões de habitantes) representam 20% da população urbana do planeta.
Metade da população mundial vive, atualmente, em cidades com menos de 500 mil habitantes ou em áreas rurais que as cercam, e que, em nível mundial, as zonas urbanas menores representam cerca de 60% da demanda urbana por alimentos.
O relatório projeta que, em 2030, a maioria da população urbana mundial estará concentrada nas cidades com uma população que não superará 1 milhão de habitantes, e que 80% dessas pessoas viverão em áreas urbanas com menos de 500 mil habitantes.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia