Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de outubro de 2017. Atualizado às 09h55.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Negócios Corporativos

Alterada em 03/10 às 09h55min

Unilever compra a marca brasileira Mãe Terra

A Unilever anunciou na segunda-feira (2) a aquisição da empresa de produtos naturais e orgânicos Mãe Terra. A companhia, que tem sede em Osasco (SP), será usada como a plataforma da multinacional anglo-holandesa para crescer no segmento de produtos saudáveis no País, que vê possibilidade de internacionalizar a marca.
A venda foi fechada em cerca de dois meses, mas a Mãe Terra vinha sendo assediada por outras grandes empresas de alimentos, incluindo outras multinacionais, e fundos de investimento. As partes não revelaram valores.
A Mãe Terra, fundada em 1979, havia sido adquirida há dez anos pelo empresário Alexandre Borges (ex-sócio da Flores Online e da agência de comunicação Significa), ao lado de outros sócios. Neste período, a companhia ampliou seu portfólio, que hoje tem 120 produtos, e ampliou sua distribuição para todo o Brasil.
Segundo o presidente da Unilever Brasil, Fernando Fernandez, Borges ficará à frente da Mãe Terra, apesar de a multinacional ter comprado 100% do negócio. Além de Borges, a Mãe Terra ainda tinha o BR Opportunities como sócio - o fundo havia ingressado na empresa em 2013 e agora resgatará sua participação de 30%.
A meta é que a Mãe Terra se torne um braço da Unilever, mas que mantenha certa independência em sua gestão, como ocorre com outros rótulos do portfólio global da Unilever, como a Ben & Jerrys, de sorvetes.
Considerada um negócio de médio porte, a Mãe Terra vem crescendo 30% ao ano, segundo Borges, e tem 300 funcionários. Fernandez espera que a distribuição da Mãe Terra dobre já no curto prazo, pois a marca poderá usar o poder de barganha da Unilever com o varejo.
Fernandez frisa também que a Mãe Terra não será um rótulo de nicho - a ideia é levar o conceito de alimentação saudável a um público mais amplo. "Não compramos a Mãe Terra com o objetivo de atender somente os 10% mais ricos da população", diz o executivo.
Entre as principais linhas de produtos da Mãe Terra estão os biscoitos doces e salgados - distribuídos nos voos da Gol -, as misturas de castanhas prontas para o consumo e também ingredientes para a cozinha, como aveia e tapioca. Alguns produtos da marca têm parceria com a chef Bela Gil.
Citando dados da Euromonitor, a Unilever diz que o mercado de orgânicos movimenta cerca de € 8 bilhões ao ano no País. Porém, a mesma consultoria mostra que o segmento ainda é pouco desenvolvido por aqui: em bebidas orgânicas, por exemplo, o Brasil ainda ocupa a 25.ª posição no ranking global.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia