Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de setembro de 2017. Atualizado às 08h40.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara dos Deputados

Notícia da edição impressa de 26/09/2017. Alterada em 25/09 às 21h18min

DEM foi o partido que mais perdeu parlamentares

Com evasão de 37 deputados e filiação de 10, o DEM foi o partido que teve a maior perda na Câmara desde 2007. A sigla hoje negocia a entrada de até 12 deputados na sua bancada de 29 parlamentares, e é uma das mais interessadas na antecipação da janela partidária.
Após a filiação do senador Fernando Bezerra (PE) ao PMDB e as abordagens pelo partido ao deputado Marinaldo Rosendo (PSB-PE), a disputa por outros dissidentes do PSB causou conflito com o partido do presidente Michel Temer (PMDB). O líder do partido na Câmara, Efraim Filho (PB), chamou as atitudes do PMDB de "mesquinhas" e disse que os "rumos definidos" do DEM "falam mais forte que a caneta do PMDB". O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também reclamou do assédio do PMDB.
"Gerou um desconforto, um ruído. Não é o tratamento que um aliado espera receber. Parece que o PMDB acredita que a agenda do partido é maior que a agenda do Brasil", disse Efraim Filho. "Essas atitudes mesquinhas do PMDB acabam fragilizando (o apoio do DEM)."
O líder do partido diz que o DEM "foi o único partido a dar 100% dos votos a favor da reforma trabalhista". "Nem dentro do PMDB o governo conseguiu essa lealdade, e é essa a resposta que recebemos", afirmou. Efraim Filho, porém, nega que o desconforto terá alguma influência sobre a votação da segunda denúncia de Temer na Câmara. "Vamos analisar com base nos fatos."
Em entrevista ao O Estado de S. Paulo na semana passada, o presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), disse que Maia "está mal informado" e que o partido não está "assediando" ninguém.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Walter Souza 26/09/2017 08h41min
O que esperar de políticos que se sujeitam a um leilão desses? Deveria ser o suficiente para não receberem os votos dos cidadãos, pois sua postura denota a prevalência gritante da busca de benefícios pessoais no exercício da política.