Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 15 de setembro de 2017. Atualizado às 16h43.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 15/09/2017. Alterada em 14/09 às 20h42min

E venceram a intolerância e o preconceito

Gerson Godinho da Costa
Estarrecimento. Essa palavra provavelmente resume o sentimento que acometeu pessoas dotadas de um mínimo de bom senso ao se depararem com a notícia de que a exposição Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira foi cancelada, em decorrência da pressão de alguns segmentos sociais, nas redes sociais e até presencialmente, mediante agressões verbais. Venceram a intolerância e o preconceito. E isso na capital de um estado que se reputa politicamente avançado.
Pressuposto para uma sociedade considerar-se democrática é o respeito à pluralidade. Quando a multiplicidade de opiniões, opções, gostos e concepções é desrespeitada, há forte sinalização de que está consagrado o arbítrio, pela imposição de determinada voz discordante, em flagrante prejuízo à liberdade.
Mas deixemos a retórica vazia de apelo prático e nos atentemos aos exemplos históricos. Na década de 1930, na Alemanha nazista, foram destruídas milhares de obras de arte consideradas degeneradas. Sabemos para onde a história foi guiada. Aliviados, alguns poderão silenciar entendendo que ainda não chegamos ao ponto de queimar as obras da exposição cancelada. Mas se não detivermos a tempo movimentos de cunho nitidamente fascista, sem demora, estaremos armando fogueiras para nelas incinerar não apenas obras, mas homossexuais, bissexuais, transgêneros e transexuais. E por que não também mulheres infiéis, índios, presidiários?
Não precisamos apreciar a arte queer e, ainda que a apreciemos, não significa que sejamos queer; pois, mesmo que o sejamos, o mínimo que merecemos é o respeito alheio. Infelizmente, não pude comparecer à exposição. Porém sinto-me à vontade de dizer, invertendo uma fórmula clássica de ignorância, que não a vi, mas gostei.
Presidente da Associação dos Juízes Federais do Rio Grande do Sul
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
ari rui morais mattos 15/09/2017 16h39min
data venia, sr Juiz, sim a amostra poderia ser interessante para alguns grupos específicos de adultos, mas não podemos arrebanhar crianças inocentes e em formação para ver, algumas distorções de usos, costumes, e crenças, deveria haver um mínimo de respeito ao contraditório...n