Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 30 de setembro de 2017. Atualizado às 11h11.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

30/09/2017 - 11h01min. Alterada em 30/09 às 11h12min

Líder da Catalunha encerra campanha e votação proibida deve acontecer no domingo

Puigdemont luta pela independência da Catalunha da Espanha

Puigdemont luta pela independência da Catalunha da Espanha


PIERRE-PHILIPPE MARCOU/AFP/JC
O líder da região da Catalunha, na Espanha, Carles Puigdemont, encerrou a campanha eleitoral pela separação do país, dizendo que a votação de domingo dará aos cidadãos catalães o direito de serem ouvidos e reconhecidos internacionalmente.
Diante de uma animada plateia que apoia o "sim", em Barcelona, Puigdemont disse que a votação significa que os catalães seguirão "com a soberania e a dignidade que eles tentaram tirar de nós".
O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, se opôs ferozmente à votação. Puigdemont diz que os catalães já derrotaram "um governo autoritário que não quer que cheguemos nesse ponto".
A coalizão separatista que governa a Catalunha prometeu declarar a independência em 24 horas em caso de vitória do "sim". A Corte Constitucional da Espanha ordenou a suspensão da votação. A decisão foi seguida por manifestações por parte de estudantes separatistas.
O ministro do Interior da Catalunha, Joaquin Forn, disse que as autoridades da região estão dispostas a garantir uma votação pacífica, mesmo que o Madri a considere ilegal. Ele ainda disse que o governo central deve enviar 10 mil policiais à Catalunha no dia da votação.
O prefeito de Barcelona, Ada Colau, sugeriu que a Comissão Europeia mediasse o impasse entro o governo da Catalunha e o de Madri.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia