Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 23 de setembro de 2017. Atualizado às 11h00.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

terremoto

Alterada em 23/09 às 11h00min

Terremoto de magnitude 3 atinge o nordeste da Coreia do Norte

Agência Brasil/EFE
Um terremoto de magnitude 3 na escala Richter atingiu neste sábado (23) a região nordeste da Coreia do Norte, segundo informações da agência meteorológica sul-coreana, acreditando que se trata inicialmente de um tremor natural e não provocado por um novo teste nuclear. As informações da Agência EFE.
O tremor, que aconteceu às 16h09min (horário local, 4h29 de Brasília), foi detectado no condado de Kilju, local da base nuclear norte-coreana, onde o regime de Kim Jong-un realizou, no último dia 3, seu sexto teste nuclear.
Segundo o Centro Nacional de Terremotos da China (CENC), o tremor pode ter sido provocado por um teste nuclear realizado pelo regime de Kim por causa da proximidade com a base e pelas características do sismo, que se parecem com o ocorrido em 3 de setembro, quando Pyongyang fez um teste com ogivas atômicas.
Um porta-voz da Coreia do Sul informou à Agência EFE que se trata de um "terremoto de origem natural". "Mas nossos analistas estão analisando a situação", afirmou.
Por enquanto, o governo do Japão não convocou nenhuma reunião de urgência pelo ocorrido, informou a agência Kyodo.
A Coreia do Norte testou em 3 de setembro um dispositivo com uma potência estimada de 250 kilotons, uma ação que gerou a aprovação de uma nova rodada de sanções da ONU.
Os contínuos testes da Coreia do Norte e a dura retórica usada pelos Estados Unidos desde a chegada de Donald Trump à presidência elevaram a tensão na região a um nível inédito.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia