Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 22 de setembro de 2017. Atualizado às 09h54.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Coreia do Norte

22/09/2017 - 09h53min. Alterada em 22/09 às 09h59min

Coreia do Norte ameaça testar bomba nuclear de hidrogênio no Pacífico

Agência Brasil
O ministro de Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Yong-ho, disse que o país poderia testar uma bomba nuclear de hidrogênio no Oceano Pacífico, ação que faz parte da resposta de "alto nível" prometida pelo presidente Kim Jong-un às ameaças dos Estados Unidos.
"Poderá ser a mais poderosa detonação de uma bomba H no Pacífico", disse o chanceler à imprensa da Coreia do Sul num hotel em Nova Iorque, onde participa da Assembleia-Geral da ONU.
As declarações foram dadas em uma resposta sobre a mensagem do líder norte-coreano publicadas pouco antes. Kim Jong-un afirmou em comunicado divulgado pela agência de notícias estatal KCNA que Trump pagará muito caro por seu "excêntrico" discurso na ONU, no qual ameaçou "destruir totalmente" a Coreia do Norte.
O chefe da diplomacia norte-coreana acrescentou que, de qualquer modo, as medidas precisam ser ordenadas por Kim Jong-un, segundo as declarações divulgadas pela agência sul-coreana Yonhap.
No comunicado divulgado pela KCNA mais cedo, o líder disse que Trump insultou a Coreia do Norte e que teria uma resposta à altura. Além disso, Kim Jong-un chamou o presidente americano de "senil" e afirmou que o republicano é "mentalmente perturbado".
Em discurso na Assembleia-Geral da ONU na última terça-feira (19), Trump alertou que, se os Estados Unidos forem forçados a se defenderem ou a um de se seus aliados, não restará opção a não ser "destruir totalmente a Coreia do Norte".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia