Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de setembro de 2017. Atualizado às 00h18.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança

Notícia da edição impressa de 14/09/2017. Alterada em 13/09 às 21h20min

Projeto do Senado prevê que os próprios detentos arquem com custos de tornozeleiras

Um projeto aprovado ontem na Comissão de Constituição e Justiça do Senado pode forçar condenados que são monitorados eletronicamente a assumir as despesas referentes à manutenção dos equipamentos. Já que a proposta tem caráter terminativo, segue direto para análise da Câmara de Deputados, caso não haja recurso para a votação ocorrer antes no plenário do Senado.
De autoria do senador Paulo Bauer (PSDB-SC), o projeto prevê a inclusão de um artigo na Lei de Execução Penal, estabelecendo que os custos com o monitoramento possam ser descontados do salário que o preso recebe pelo trabalho remunerado dentro das prisões. Uma modificação proposta pela relatora Simone Tebet (PMDB-MS) sugere penas para casos em que não ocorra o ressarcimento, que vão de advertência até revogação da prisão domiciliar. Há também a previsão de isenção da taxa para condenados sem condições financeiras, concedida mediante decisão da Justiça.
Dados do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) apontam mais de 18 mil pessoas que sofrem vigilância por meio do equipamento, a um custo médio de R$ 300,00 mensais por apenado. Bauer afirma que até R$ 23 milhões podem ser economizados, por ano, com a medida.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia