Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 17 de setembro de 2017. Atualizado às 21h33.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Campeonato Brasileiro

17/09/2017 - 21h33min. Alterada em 17/09 às 21h33min

Cruzeiro tem atuação apática, mas vence Bahia e retoma sexta colocação

Se a ideia de Mano Menezes era fazer um ensaio para a final da Copa do Brasil, o Cruzeiro foi aprovado com algumas ressalvas. Neste domingo (17), jogando no Mineirão, em Belo Horizonte, a equipe teve atuação apática e pouco criou durante a partida, mas contou com um gol do zagueiro Léo para vencer o Bahia por 1 a 0, em duelo válido pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro.
O resultado deixou o Cruzeiro com 37 pontos, na sexta colocação, enquanto o Bahia está em 16º com 27, os mesmos do São Paulo, que hoje está na zona de rebaixamento, em 17º. As duas equipes voltam a atuar no próximo domingo pelo Brasileiro: o time mineiro encara o lanterna Atlético Goianiense fora de casa, enquanto o baiano tem difícil missão contra o vice-líder Grêmio.
Com a segunda final da Copa do Brasil marcada apenas para 27 de setembro, depois de empatar o jogo de ida com o Flamengo por 1 a 1, no Rio de Janeiro, o Cruzeiro teve a semana livre para trabalhar e Mano Menezes aproveitou para ensaiar a equipe. Como Rafael Sóbis está suspenso para o duelo decisivo, Raniel foi mantido como titular do ataque neste domingo.
Mas o Cruzeiro encontrou dificuldades durante todo o jogo. Com Vinícius no lugar de Régis na meia, por opção do técnico Preto Casagrande, o Bahia tinha uma estratégia bem definida - e oposta à do adversário. Enquanto o time mandante valorizava a posse, o visitante se fechava em duas linhas de quatro e apostava nos contra-ataques.
Faltava, contudo, movimentação do sistema ofensivo do Cruzeiro. Os laterais pouco avançavam, os volantes não apareciam e Robinho, Rafinha e Raniel faziam uma partida, quando muito, discreta. Apenas Thiago Neves tentava algo diferente. E foi em chute de fora da área do meia a única chance criada pela equipe no primeiro tempo, facilmente defendido por Jean ainda aos oito minutos.
A inoperância de seu sistema ofensivo parece não tê-lo incomodado e Mano não mexeu no time após o intervalo. E o duelo seguia no mesmo ritmo quando, aos quatro, após levantamento na área, Rodrigão e Raniel se enroscaram e o árbitro marcou um pênalti duvidoso. Na cobrança, porém, Thiago Neves bateu no canto esquerdo e à meia altura. E Jean salvou o Bahia.
Irritado com a marcação do pênalti mesmo após a defesa, Preto Casagrande seguiu reclamando e acabou expulso por Wagner Reway. Já Mano sentiu a chance desperdiçada e mexeu no time - colocou o meia uruguaio Arrascaeta no lugar de Rafinha. E, mesmo sem brilho, a equipe abriu o placar aos 17, quando Léo aproveitou cobrança de escanteio, ganhou no alto e cabeceou no canto. O zagueiro ainda precisou ser atendido pelos médicos depois de bater a cabeça e permanecer caído, mas voltou para o jogo.
Sem reação depois de sofrer o primeiro gol, o Bahia pouco criou em busca do empate. Lucas Silva ainda deu carrinho por trás e foi expulso poucos minutos após entrar em campo - e nem assim o time baiano conseguiu pressionar. Assim, mesmo sem brilho, o Cruzeiro obteve boa vitória, passou pelo teste e se garantiu no G6 por mais uma rodada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia