Porto Alegre, sexta-feira, 16 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 16 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

tecnologia

- Publicada em 16h31min, 25/09/2017. Atualizada em 17h02min, 15/10/2020.

Clínicas desenvolve órtese, e paciente volta a participar de maratonas

Por 11 anos, a aposentada Sônia Castro de Lima , paciente do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, utilizou uma prótese de quadril, mas teve que retirá-la devido a complicações. O procedimento a deixou com a sensação de que a perna direita estava "solta", o que limitava os movimentos e causava dor. Com o desenvolvimento de um protótipo de órtese pela fisioterapeuta Livia Lobel da Luz, pelo engenheiro Paulo Roberto Sanches e pelo médico fisiatra Vinicius Atrib Amantea, a paciente teve a possibilidade de voltar até a participar de eventos esportivos, como meia-maratonas.
Por 11 anos, a aposentada Sônia Castro de Lima , paciente do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, utilizou uma prótese de quadril, mas teve que retirá-la devido a complicações. O procedimento a deixou com a sensação de que a perna direita estava "solta", o que limitava os movimentos e causava dor. Com o desenvolvimento de um protótipo de órtese pela fisioterapeuta Livia Lobel da Luz, pelo engenheiro Paulo Roberto Sanches e pelo médico fisiatra Vinicius Atrib Amantea, a paciente teve a possibilidade de voltar até a participar de eventos esportivos, como meia-maratonas.
O modelo foi baseado na biomecânica da lesão gerada pela retirada da prótese e em modelos comerciais internacionais, pois não existe o dispositivo no País. Confeccionada em neoprene e faixas elásticas, a órtese auxilia no alinhamento do membro e facilita o movimento. "A proposta foi melhorar a funcionalidade, visando à autonomia e qualidade de vida da Sônia", conta a fisioterapeuta.
Comentários CORRIGIR TEXTO