Porto Alegre, sexta-feira, 16 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 16 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

HOSPITAIS

- Publicada em 14h45min, 22/09/2017. Atualizada em 17h03min, 15/10/2020.

Hospital de Clínicas registra avanço no tratamento da leucemia

Lúcia (d) coordena o projeto do Clínicas

Lúcia (d) coordena o projeto do Clínicas


CLÓVIS PRATES/DIVULGAÇÃO/JC
Uma pesquisa desenvolvida no Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), em parceria com o M.D. Anderson Cancer Center, do Texas (Estados Unidos), traz boas notícias e esperança para pacientes com leucemia mieloide aguda que não tiveram sucesso com outros tratamentos, inclusive transplantes de medula. Dois pacientes do hospital gaúcho, que estavam em estado grave, passaram pelo tratamento inovador e estão em remissão (sem manifestação da doença).
Uma pesquisa desenvolvida no Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), em parceria com o M.D. Anderson Cancer Center, do Texas (Estados Unidos), traz boas notícias e esperança para pacientes com leucemia mieloide aguda que não tiveram sucesso com outros tratamentos, inclusive transplantes de medula. Dois pacientes do hospital gaúcho, que estavam em estado grave, passaram pelo tratamento inovador e estão em remissão (sem manifestação da doença).
Chamada de imunoterapia adotiva com células NK (Natural Killer), a técnica desenvolvida no Centro de Terapia e Tecnologia Celular do HCPA consiste na expansão in vitro de células do sistema imunológico, que vão destruir apenas o tumor, sem causar qualquer dano a outros tecidos do organismo. Segundo a coordenadora do projeto, professora Lúcia Silla, esta é uma técnica pioneira, aplicada apenas no HCPA e no centro norte-americano parceiro. "Parte dos estudos pré-clínicos foi realizada durante doutorado fora do País, contribuindo para esta descoberta, que hoje é aplicada nessas duas instituições", explica.
O projeto vem sendo desenvolvido com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (Fapergs); e também envolve investimentos significativos do Clínicas em instalações e pessoal. De acordo com a coordenadora do Grupo de Pesquisa do HCPA, Patrícia Prolla, a iniciativa é um exemplo de transposição de conhecimentos desenvolvidos na pesquisa em saúde para efetiva assistência a pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).
Comentários CORRIGIR TEXTO