Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 27 de setembro de 2017. Atualizado às 10h30.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria automotiva

Alterada em 27/09 às 10h32min

União Europeia multa Scania em 880 milhões de euros por cartel no setor de caminhões

Scania e as outras empresas envolvidas no cartel produziam 9 de cada 10 caminhões vendidos na Europa

Scania e as outras empresas envolvidas no cartel produziam 9 de cada 10 caminhões vendidos na Europa


FRANK PERRY/AFP/JC
A União Europeia anunciou nesta quarta-feira (27) uma multa de 880 milhões de euros contra a Scania, da Volkswagen, por sua participação em um cartel no setor de caminhões. A decisão é tomada após a UE no ano passado impor contra cinco fabricantes de caminhões sua maior multa já aplicada por cartéis, de cerca de 3 bilhões de euros. As companhias combinavam pressões e também a implementação de tecnologias para controle de emissões.
Na época, a Scania decidiu não fechar acordo no caso do cartel, diferentemente das outras cinco companhias. A Scania disse não aceitar as acusações da Comissão Europeia, braço executivo da UE.
A chefe da UE para a Concorrência, Margrethe Vestager, afirmou que a decisão de hoje marca o fim de uma investigação sobre um cartel que durou 14 anos e afetou muitos motoristas pela Europa. A Scania e as outras empresas envolvidas no cartel produziam mais de 9 de cada 10 caminhões médios e pesados vendidos na Europa, lembrou Vestager.
As multas de 2016 foram contra a MAN, da Volkswagen, Volvo, Daimler, Paccar e CNH Industrial NV's Iveco. A Comissão Europeia disse que as companhias entraram em um conluio em relação à implementação de novas tecnologias para controle de emissão e também concordaram em repassar aos consumidores os custos extras para cumprir com padrões ambientais mais rígidos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia