Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de setembro de 2017. Atualizado às 10h00.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Bancos

26/09/2017 - 10h01min. Alterada em 26/09 às 10h02min

Lucro da Caixa sobe 62,8% no segundo trimestre de 2017

Banco teve lucro líquido de R$ 4,1 bilhões no primeiro semestre de 2017

Banco teve lucro líquido de R$ 4,1 bilhões no primeiro semestre de 2017


YASUYOSHI CHIBA/AFP/JC
A Caixa anunciou nesta terça-feira (26) lucro líquido do segundo trimestre de R$ 2,6 bilhões, alta de 62,8% ante o mesmo período de 2016, e de 73,9% sobre o primeiro trimestre deste ano. O banco também divulgou seu resultado do primeiro semestre de 2017, com lucro líquido de R$ 4,1 bilhões.
O dado já havia sido publicado no site do Banco Central em 5 de setembro. No informe à imprensa, a Caixa diz ser este o maior lucro semestral da sua série histórica. A variação em relação ao primeiro semestre de 2016, de acordo com o comunicado, é um crescimento de 69,2%.
Também há diferenças no comparativo para o resultado operacional, que alcançou R$ 4 bilhões no semestre, avanço de 447,2% em 12 meses. Os ativos administrados encerraram junho em R$ 2,2 trilhões, alta de 5,8% sobre junho de 2016, sendo que seus ativos próprios somaram R$ 1,3 trilhão, 5,2% maior (dado também disponível anteriormente pelo site do BC). O índice de Basileia encerrou o período em 14,4%, avanço de 1,6 pontos percentuais em 12 meses.
O resultado recorrente foi de R$ 4,9 bilhões no primeiro semestre, alta de 75,8% sobre o mesmo período de 2016. O dado no segundo trimestre ficou em R$ 3,2 bilhões, crescimento de 93,4% em 12 meses e de 92,6% sobre o primeiro trimestre de 2017.
"O aumento no resultado da Caixa foi gerado pelo crescimento da margem financeira, pela redução nas despesas com provisão para devedores duvidosos, por avanço nas receitas com prestação de serviços e no controle das despesas administrativas e de pessoal", diz nota à imprensa divulgada pelo banco.
Quanto às receitas com prestação de serviços, estas cresceram 11,3% no segundo trimestre, para R$ 6,2 bilhões, e 12,5% no semestre, somando R$ 12,2 bilhões. "Os principais destaques foram as receitas de crédito, administração de fundos de investimento e convênios e cobrança que cresceram, respectivamente, 13,3%, 16,9% e 21,5% em 12 meses."
O índice de inadimplência caiu 0,7 ponto porcentual no semestre, para 2,51%. A carteira de crédito, por sua vez, fechou junho com saldo de R$ 715,9 bilhões, avanço de 3,5%. A Caixa explica que houve queda nas operações comerciais com pessoas físicas e pessoas jurídicas, de 6,6%, para R$ 182,7 bilhões, sendo que o segmento PJ recuou 10,2%, devido a menor demanda por crédito.
A Caixa informa, ainda, que no primeiro semestre a linha outras despesas administrativas apresentou queda de 1,5% em 12 meses, "reflexo de ações focadas na melhoria da eficiência operacional", e que as despesas de pessoal cresceram 6,4%, para R$ 10,7 bilhões, desconsiderando o impacto do Plano de Demissão Voluntária Extraordinária (PDVE) realizado no primeiro trimestre.
O índice de eficiência operacional ficou em 50,9%, melhora 2,7 p.p. em 12 meses. Os índices de cobertura de despesas de pessoal e administrativas registraram 109,8% e 70,5% respectivamente, maiores em 2,6 p.p e 2,7 pontos em 12 meses.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia