Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 22 de setembro de 2017. Atualizado às 17h10.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 22/09 às 17h11min

Petróleo fecha em alta após reunião da Opep e dado de plataformas nos EUA

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta sexta-feira, com os investidores digerindo uma reunião de monitoramento do acordo de redução da oferta da commodity de grandes produtores e uma nova queda no número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos Estados Unidos, de acordo com a Baker Hughes.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para novembro fechou em alta de 0,22%, a US$ 50,66 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o barril do petróleo Brent para o mesmo mês avançou 0,76%, a US$ 56,86. Na semana, o WTI ganhou 1,54% e o Brent subiu 2,22%.
A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e outros grandes produtores encerraram a reunião em Viena sem chegar a um acerto sobre a extensão dos atuais cortes na produção da commodity além de março de 2018, disseram autoridades da Opep após o fim do encontro.
No entanto, a possibilidade de prorrogar o acordo foi discutida e países do cartel que hoje não participam do pacto teriam se comprometido a se juntar aos esforços para reduzir a oferta, segundo representantes da Opep.
Os contratos de petróleo foram impulsionados após o grupo afirmar que o cumprimento do acordo de corte de produção subiu para um recorde de 116% em agosto.
Além disso, a Baker Hughes afirmou nesta sexta que o número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos EUA recuou 5 na última semana, para 744, o que traz alívio para investidores preocupados com os excessos da oferta global.
Também favoreceu os contratos de petróleo o enfraquecimento do dólar diante de seus principais rivais nesta sexta, principalmente em relação ao euro. Dados positivos na zona do euro aumentaram a perspectiva de investidores para um aperto monetário pelo Banco Central Europeu (BCE), o que impulsionou a moeda comum.
Com a moeda americana mais fraca, os contratos de petróleo se tornam mais baratos e atrativos para investidores de outros países. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia