Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de setembro de 2017. Atualizado às 11h52.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

Alterada em 21/09 às 13h16min

Diretor do Bndes confirma acordo para devolver R$ 50 bi ao Tesouro

Folhapress
O diretor da área financeira do Bndes, Carlos Thadeu de Freitas, confirmou nesta quinta-feira (21) acordo para devolver ao Tesouro R$ 50 bilhões este ano e disse que os valores restantes ainda estão em negociação e dependem da retomada da economia. Para minimizar o deficit fiscal, o governo solicitou ao banco a devolução de R$ 180 bilhões dos R$ 440 bilhões emprestados para a concessão de empréstimos subsidiados.
Freitas disse que R$ 33 bilhões serão transferidos ao Tesouro já na próxima semana. Os outros R$ 17 bilhões, só no mês que vem. "A demanda do governo é corretíssima, porque ele não pode mais emitir títulos para financiar o custeio", comentou Freitas, em entrevista após a abertura do Fórum Nacional, no Rio.
Ele ressaltou, porem, que ainda não há definição para a transferência dos R$ 130 bilhões restantes. "É um valor que o Tesouro precisa e vamos tentar atendê-lo dentro do possível, de acordo com a capacidade do banco de emprestar", disse ele.
O Bndes tem hoje R$ 170 bilhões em caixa e alega que pode ficar sem condições de atender à demanda por financiamento caso a economia volte a crescer. "O Bndes precisa de funding para emprestar no longo prazo", defendeu o diretor do BNDES. Ele disse também que a necessidade do governo pelos recursos pode ser reduzida caso a arrecadação reaja em 2018.
Segundo Freitas, o Bndes analisa oportunidades de captação com bancos de fomento internacionais, como o banco dos Brics e o alemão KfW, como alternativa ao dinheiro do Tesouro. Além disso, o banco tenta convencer o governo a conceder parte das reservas internacionais como garantia para a tomada de financiamentos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia