Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de setembro de 2017. Atualizado às 00h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Notícia da edição impressa de 14/09/2017. Alterada em 13/09 às 20h51min

CEEE conclui instalação de nova linha de transmissão em Viamão

Investimento beneficia diretamente 6 mil consumidores do município

Investimento beneficia diretamente 6 mil consumidores do município


/CEEE/DIVULGAÇÃO/JC
A CEEE Distribuição (CEEE-D) colocou em operação, nesta semana, uma nova linha de transmissão de 69 mil volts entre as subestações Viamão 3, Viamão 1 e Ramais Brahma, Latasa e Águas Claras. A linha conecta parte do sistema de energia da Região Metropolitana de Porto Alegre, garantindo maior confiabilidade operacional ao fornecimento da energia.
O investimento beneficia diretamente 6 mil clientes de Viamão, incluindo as indústrias atendidas pela subestação de Águas Claras, uma das últimas construídas pela CEEE-D. Além disso, possibilita que aproximadamente 11 megawatts sejam distribuídos através dos novos alimentadores (rede de média tensão), que partem da subestação de Águas Claras e levam energia às unidades consumidoras atendidas pela empresa no município.
O mercado da CEEE Distribuição de Viamão é formado por 75 mil clientes. Em toda gerência regional metropolitana, são mais de 850 mil clientes, incluindo ainda os municípios de Alvorada, Arroio dos Ratos, Barra do Ribeiro, Butiá, Charqueadas, Eldorado do Sul, Guaíba, Mariana Pimentel, Minas do Leão, Pantano Grande, Porto Alegre e São Jerônimo. Nessa região, no primeiro semestre, a companhia investiu, através de programas de expansão e manutenção do sistema energético, mais de R$ 38 milhões.

Nível dos reservatórios do Sudestee do Centro-Oeste cai abaixo de 30%

Os reservatórios das hidrelétricas do submercado Sudeste/Centro-Oeste caíram para um nível abaixo de 30% na terça-feira, segundo dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Furnas, uma das principais hidrelétricas brasileiras, trabalha com apenas 23,8% nível de água em seu reservatório. Com redução de 0,2%, os reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste operavam na terça-feira com 29,8% da sua capacidade.
A região Sul também registrou queda no nível acumulado nos reservatórios, para 48,1%, enquanto os do submercado Norte caíram para 46,6%. Os reservatórios do Nordeste, região que vem sofrendo uma das maiores secas da sua história, ficaram estáveis em 11,2%, com a hidrelétrica de Sobradinho operando com 6,62% da capacidade. O Norte teve queda de 0,7%, para 46,6%.
O sócio da Compass, Marcelo Parodi, comentou que os mapas meteorológicos indicam que não há perspectiva de chuvas volumosas no subsistema Sudeste/Centro-Oeste até o final do mês. Enquanto para o Sul estão previstas chuvas fracas. A atual projeção do ONS indica uma Energia Natural Afluente (ENA) de 71% da média histórica em setembro no Sudeste/Centro-Oeste e em 43% da média de longo termo (MLT) no Sul. As previsões são significativamente abaixo das estimadas no início do mês, que apontavam para afluência de 88% e 83%, respectivamente.
"O nível do reservatório na região Sul está caindo cerca 1 ponto percentual ao dia, e acreditamos que o operador utilizará todos os recursos disponíveis, como intercâmbio energético e possivelmente despacho térmico adicional, para manter níveis operativos confortáveis", afirmou Parodi.
Em nota divulgada na semana passada, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) já indicou a possibilidade de aumentar a importação de energia de países vizinhos, como Argentina e Uruguai, como forma de preservar os estoques dos reservatórios.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia