Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 16h14.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 08/09 às 16h16min

Ouro fecha em leve alta em Nova Iorque, ajudado pela fraqueza do dólar

O ouro fechou em leve alta nesta sexta-feira (8) e chegou à terceira alta semanal consecutiva, ajudado pela fraqueza do dólar em relação a outras moedas importantes, como iene e euro. O metal precioso também encontrou suporte em meio às incertezas relacionadas à Coreia do Norte, que pode fazer nova demonstração de força neste fim de semana, e à temporada de furacões nos Estados Unidos.
O contrato para dezembro negociado na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex) fechou em ligeira alta, de 0,06%, aos US$ 1.351,20 por onça-troy. Na semana, a apreciação foi de 1,56%.
O recuo renovado do dólar ante o euro e o iene se sustentou com preocupações de que os furacões Harvey e Irma possam prejudicar alguns indicadores econômicos dos EUA no curto prazo, reduzindo ainda mais as expectativas de que haja uma nova elevação dos juros da economia americana neste ano. Com o dólar mais fraco, o ouro se torna mais atrativo para compradores estrangeiros e menores chances de novo aperto monetário também tendem a beneficiar o metal.
A Coreia do Norte também disputa a atenção dos investidores, já que o Sul alertou para a possibilidade de que o regime de Kim Jong-un realize novo teste nuclear neste fim de semana. No sábado, 9, o país comemora seu aniversário de fundação e, no ano passado, na mesma data, Pyongyang detonou uma bomba que chegou a provocar um terremoto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia