Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 17h29.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

04/09/2017 - 15h42min. Alterada em 04/09 às 19h49min

Após meses de estabilidade, indústria gaúcha esboça reação em julho

O Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS), que apura mensalmente a atividade do setor no Estado, voltou a crescer em julho, na comparação com o mês anterior: 1,4%, na série com ajuste sazonal. Com isso, o índice começa a esboçar reação, após meses de estabilidade. Divulgado nesta segunda-feira (4) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), o resultado foi determinado pelas compras industriais que cresceram 6,3%.
"A tendência é relativamente animadora. A economia brasileira dá indícios de evolução com a inflação e os juros declinantes, o emprego e as exportações industriais em alta e os bons resultados na agropecuária", afirma o presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry. "Os resultados confirmam a perspectiva da volta do setor ao campo positivo, processo que deve ser longo e gradual. A estabilidade política e as reformas estruturais, porém, são a sua base de sustentação", afirma Petry. 
Diferentemente das compras industriais, os demais indicadores registraram desempenho negativo na passagem mensal livre de efeitos sazonais: faturamento real (-0,9%), horas trabalhadas na produção (-1,8%), utilização da capacidade instalada-UCI (-0,6 p.p.), emprego (-0,2%) e massa salarial real (-0,5%).
Ao considerar julho ante o mesmo mês do ano anterior, o IDI-RS revela uma elevação ainda maior, de 3,8%, o melhor desempenho em 45 meses e a segunda taxa positiva em três meses, fato inédito desde fevereiro de 2014.
Entre janeiro a julho de 2017, as seis variáveis que compõem o IDI-RS apresentaram resultados díspares. Apresentaram crescimentos, o faturamento real (1,1%), a massa salarial real (2,1%) e a UCI (0,2 p.p.). Registraram quedas as horas trabalhadas na produção (-2,4%), o emprego (-1,7%) e as compras industriais (-1,4%).
Da mesma forma, as perdas setoriais, que foram generalizadas nos últimos três anos, em 2017 atingem nove das 17 atividades pesquisadas. As principais influências para o resultado geral vieram de Alimentos (-3,2%), Veículos automotores (-4%) e Móveis (-2,7%). Por outro lado, Máquinas e equipamentos (+3,6%) – sobretudo máquinas e implementos agrícolas (+16,5%), Produtos de metal (+4,3%) e Tabaco (+11,4%) fornecem os impactos mais importantes. Isso se explica por se tratarem de segmentos que apresentam crescimentos associados às exportações e ao setor agrícola.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia