Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 17h14.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura Internacional

Notícia da edição impressa de 04/09/2017. Alterada em 03/09 às 22h31min

Presidente da China defende que países do Brics abram economia

Fórum Empresarial reúne líderes e representantes dos cinco países

Fórum Empresarial reúne líderes e representantes dos cinco países


ROGÉRIO MELO/ROGÉRIO MELO/PR/JC
O presidente da China, Xi Jinping, defendeu ontem que os cinco países do Brics abram suas economias, promovam reformas, criem cadeias de produção globais e surfem na revolução industrial tecnológica para criar novos motores de desenvolvimento. O grupo que impulsionou a expansão mundial na década passada teve performances díspares nos últimos anos, quando China e Índia mantiveram forte ritmo de crescimento, enquanto Brasil, Rússia e África do Sul mergulharam na recessão.
No discurso que fez a empresários do Brics em Xiamen, no sul da China, Jinping reconheceu que sócios do bloco enfrentaram ventos contrários de intensidade variada. A queda no preço das commodities e da demanda global e o aumento de riscos financeiros representam desafios para os cinco países, afirmou o líder chinês. Entre os que assistiram seu pronunciamento, estava o presidente Michel Temer.
"Nós devemos aproveitar a oportunidade apresentada pela nova revolução industrial para promover o crescimento e mudar o modelo de desenvolvimento por meio da inovação", afirmou Jinping em um discurso de 45 minutos. "Nós devemos remover os impedimentos para o crescimento por meio de reformas, remover barreiras institucionais e sistêmicas e energizar o mercado e a sociedade, para atingir um crescimento de melhor qualidade e mais resiliente e sustentável."
Jinping defendeu que os cinco países do Brics se abram mais para os parceiros do bloco, ampliem seus interesses convergentes e invistam em infraestrutura que possibilidade uma maior integração. "O desenvolvimento de mercados emergentes e em desenvolvimento não é destinado a mexer no queijo de ninguém, mas a tornar a torta do crescimento global maior."
Como em muitos de seus pronunciamentos recentes, o presidente chinês condenou o protecionismo e defendeu a globalização. Mas o discurso nem sempre está em sintonia com a realidade de seu próprio país, que mantém vários setores fechados para investimentos estrangeiros.
Em seu discurso, Jinping também defendeu que o Brics amplie sua influência global, com a criação de parcerias com outros países, e se transforme em uma plataforma para a cooperação Sul-Sul e o diálogo Sul-Norte. "Nós deveríamos promover a cooperação 'Brics Plus' e construir uma rede ampla e diversificada de parcerias de desenvolvimento para termos mais mercados emergentes e países em desenvolvimento envolvidos em nossos esforços concertados para cooperação e benefícios mútuos."

Michel Temer diz que não há espaço para improvisos no mundo atual

Em discurso no Fórum Empresarial do Brics (grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o presidente Michel Temer disse ontem, em Xiamen, que no mundo atual "não há espaço para improvisação". "Quem deseja prosperar tem que fazer a lição de casa, tem que se antecipar ao futuro", afirmou a uma plateia de empresários.
Ele voltou a citar a agenda de reformas para "pôr em ordem as contas públicas" e melhorar o ambiente de negócios no Brasil como exemplos de modernização econômica com o objetivo de criar as condições para o crescimento sustentado de longo prazo. "O setor privado tem sido parceiro de primeira hora nessa injeção de vitalidade que temos aplicado no Brasil."
Temer reiterou que o País está aberto a novos investimentos. "É um momento de otimismo, de retomada da economia, de multiplicação de oportunidades de negócios", disse. "Em um mundo marcado por tendências protecionistas, o Brasil reafirma, por palavras e ações, sua adesão a uma economia global aberta. Este é o momento certíssimo para investir no Brasil."
Em seu quarto dia de viagens à China, Temer voltou a apresentar os projetos de investimento no Brasil, principalmente o pacote de concessões e privatizações de aeroportos, portos, rodovias e linhas de transmissão recém-lançado pelo governo.
Segundo a organização, o fórum empresarial é uma plataforma para a comunidade empresarial dos países do Brics discutir temas da agenda global e promover cooperação nas áreas econômica e comercial entre os mercados emergentes.
Hoje, os chefes de Estado e de Governo se reúnem na 9ª cúpula do bloco. Amanhã, os líderes dos cinco países participam do Diálogo de Economias Emergentes e Países em Desenvolvimento. O embarque de volta para o Brasil de Temer está previsto para esse mesmo dia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia