Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

artes visuais

29/09/2017 - 12h02min. Alterada em 29/09 às 16h10min

Santander Cultural decide não reabrir exposição Queermuseu em Porto Alegre

Mostra gerou polêmica após ser acusada de promover pedofilia e zoofilia

Mostra gerou polêmica após ser acusada de promover pedofilia e zoofilia


FREDY VIEIRA/JC
Mesmo após o Ministério Público Federal (MPF) no Rio Grande do Sul ter recomendado ao Santander Cultural a reabertura imediata da exposição Queermuseu - Cartografias da diferença da arte brasileira, o Santander decidiu não reabrir a mostra em Porto Alegre.
O posicionamento do banco de não retomar a exibição foi informado através de uma nota breve:
"A mostra Cartografias da Diferenças da Arte, teve sua exibição finalizada no Centro Cultural de Porto Alegre, de cunho privado, no dia 10.9.17 e não será reaberta conforme comunicado do mesmo dia".
A exposição gerou polêmica na Capital gaúcha. A mostra, que reúne mais de 270 obras com temática LGBT que percorrem o período histórico de meados do século XX até os dias de hoje, explorando a diversidade de expressão de gênero e a diferença na arte e na cultura, foi cancelada após ser acusada de promover pedofilia e zoofilia.
Queermuseu foi aberta na metade de agosto, com entrada franca, e seguiria até 8 de outubro em Porto Alegre. O fim da mostra gerou protestos por parte de movimentos artísticos e sociais, que denunciaram o fechamento como censura.
Na semana passada, o Museu de Arte do Rio (MAR), no Rio de Janeiro, fechou com o curador Gaudêncio Fideles a ida da exposição para o museu da Praça Mauá, no Centro do Rio. A data ainda não foi marcada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
VALDECIR MARRAFON 20/10/2017 12h28min
Também fecharei minhas contas corrente e poupança, não posso ter relacionamento com um banco que apoia a diversidade de gênero, pedofilia e zoofilia, desprezando a instituição da família como base da sociedade.
MACHADO 09/10/2017 15h27min
Isso não é arte é lixo! Minha mãe decidiu fechar sua conta no Santander depois deste incentivo ao ""arte lixo""