Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de setembro de 2017. Atualizado às 15h05.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Negócios corporativos

Notícia da edição impressa de 27/09/2017. Alterada em 28/09 às 15h08min

Mais de 80% das empresas brasileiras têm irregularidades, aponta estudo

KSTUDIO-FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
Um estudo aponta que 86% das empresas brasileiras estão com algum tipo de irregularidade perante os órgãos de controle. A organização internacional Endeavor, que publicou o levantamento, faz ações para fomentar o empreendedorismo no Brasil e em outros países. As pendências incluem atrasos no pagamento de impostos ou não cumprimento de exigências de prefeituras ou da Receita Federal.
No comércio, há pendências em 96% dos estabelecimentos; enquanto na indústria, 92% das empresas não estão completamente regularizadas. A pesquisa foi feita a partir de uma amostra de 2.550 companhias em todos os estados brasileiros. O estudo atribui os altos índices de irregularidade à complexidade da burocracia no País. "Esse valor ilustra a complexidade e as dificuldades impostas pelo ambiente regulatório, e a disparidade entre as exigências impostas pelo Estado e a realidade das empresas", diz a publicação.
A entidade chama atenção para o fato de que os índices de irregularidade são elevados mesmo entre os escritórios de advocacia (80%) e de contabilidade (88%), ramos que, em tese, deveriam estar mais preparados para lidar com burocracia e normas.
Como exemplo da dificuldade em manter as empresas regulares, o estudo cita que o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) teve 558 atualizações em quatro anos. "Ou seja, cerca de uma atualização a cada três dias. Além da mudança constante na legislação dos impostos, as empresas precisam cumprir uma série de obrigações acessórias para comprovar ao Fisco que o pagamento e as exigências legais estão sendo feitos da forma correta", destaca.
As dificuldades causadas pelo excesso de normas e obrigações também geram, segundo a pesquisa, um número elevado de empresas que continuam existindo sem funcionar. A estimativa do estudo é de que 20% dos inscritos no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) estejam inativos, representando 3,7 milhões de empresas.
"O alto número de empresas que não 'fecharam as portas' formalmente gera um custo de ineficiência para a economia, pois há muitos recursos - tangíveis e intangíveis - paralisados pela situação inconclusiva, e que poderiam ser realocados em formas mais produtivas, seja em um novo empreendimento ou em um já existente", acrescenta o documento.
O estudo aponta ainda algumas medidas que poderiam reduzir a burocracia e facilitar a abertura e o fechamento de empreendimentos. Entre as propostas defendidas estão as de integrar os diferentes órgãos e secretarias, simplificar e automatizar as cobranças tributárias, e inverter a lógica de fiscalização, dando mais valor nas autodeclarações dos empreendedores.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia