Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de agosto de 2017. Atualizado às 11h47.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

funcionalismo

Alterada em 22/08 às 11h50min

Servidores estaduais protestam contra divisão do IPE

O ato em frente a sede do órgão reuniu educadores da rede pública e demais servidores

O ato em frente a sede do órgão reuniu educadores da rede pública e demais servidores


Isabella Sander/Especial/JC
Servidores públicos do Rio Grande do Sul se reuniram na manhã desta terça-feira (22) em frente a sede do Instituto de Previdência do Estado para protestar contra a proposta do governo José Ivo Sartori de dividir o órgão em duas autarquias. O ato reuniu educadores da rede pública e demais servidores.
O parcelamento de salários e o cerceamento da representação sindical também estava entre as revindicações da mobilização organizada pelo Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (MUS). Durante o ato, a presidente do Cpers Sindicato, Helenir Aguiar Schürer, criticou a PEC 256, que extingue a remuneração dos servidores públicos cedidos às entidades de classe. "O governador fez um PL que propõe liberar apenas um servidor por categoria. Isso é o mesmo que dizer: o Sartori agora está fazendo o sindicato com mordaça. E nós vamos continuar nos rebelando".
A medida também foi criticada pelo presidente da Federação Sindical dos Servidores Públicos no Estado do Rio Grande do Sul (Fessergs), Sérgio Arnoud. "O governo quer acabar com os sindicatos, porque não quer ninguém que o denuncie e que defenda a categoria dos servidores".
Depois do ato, os servidores seguiram para a Assembleia Legislativa, onde devem ser votadas hoje em segundo turno as propostas remanescentes do pacote de reestruturação do Estado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia