Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de agosto de 2017. Atualizado às 16h14.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Prefeitura de Porto Alegre

17/08/2017 - 15h27min. Alterada em 17/08 às 16h15min

Servidores realizam ato em protesto contra a privatização do Dmae

Mais de 1,5 mil pessoas participaram do ato com abraço ao prédio histórico do órgão

Mais de 1,5 mil pessoas participaram do ato com abraço ao prédio histórico do órgão


FREDY VIEIRA/JC
Stéphany Franco
No Dia Nacional do Patrimônio Público (17), cerca de 1,5 mil servidores da Prefeitura de Porto Alegre se reuniram no final da manhã na sede do Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) para realizar ato contra a entrega do órgão para a iniciativa privada, proposta do prefeito da Capital, Nelson Marchezan Júnior (PSDB). Os municipários deram as mãos e "abraçaram" o prédio.
Os ex-prefeitos da Capital João Dib (PP), José Fortunati (PDT) e Raul Pont (PT) também participaram do ato. De acordo com ex-presidente do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), Edson Zomar, o Dmae é um órgão de excelência e não há motivos para que o mesmo seja privatizado. "Com a privatização, as tarifas de água e esgoto irão aumentar. É por isso que tem tanta gente que é contra, vai ser péssimo para a população", ressalta Zomar.
Para o diretor de comunicação do Simpa, Ivam Martins, esse modelo de entregar um órgão do município para a iniciativa privada é fracassado no mundo inteiro. "Em vários países essa mesma proposta não deu certo, porque fazer o mesmo aqui?". O operador de subestação do Dmae, Gilberto Rodrigues, afirma que a população tem que se unir para que a luta seja maior. "A população irá sofrer se essa proposta for adiante. Queremos que as tarifas tenham um preço justo, com a privatização isso não irá ocorrer", completa Rodrigues.
Na noite de quarta-feira (16), servidores se concentraram em frente à Prefeitura de Porto Alegre contra o pacote de projetos que atinge o plano de carreira do funcionalismo público e que tenta tornar legal o parcelamento dos salários, além da privatização do Dmae e do Mercado Público.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia