Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 02 de agosto de 2017. Atualizado às 15h30.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Prefeitura de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 02/08/2017. Alterada em 02/08 às 09h01min

Servidores protestam contra projetos de Marchezan

Cordão de isolamento manteve os manifestantes afastados do prédio

Cordão de isolamento manteve os manifestantes afastados do prédio


MARIANA CARLESSO/JC
Carlos Villela, especial para o JC
Manifestantes se reuniram em frente ao Paço Municipal, ontem à tarde, para protestar contra o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB). Os projetos de lei enviados pelo Executivo, outro capítulo da relação cada vez mais conflituosa com os servidores públicos, levaram aproximadamente 5 mil pessoas, de acordo com o Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), para protestar contra a extinção da licença-prêmio, alteração da incorporação das parcelas que compõem a remuneração, e o mais controverso, que, entre outros pontos, abre precedente para o parcelamento dos salários dos servidores municipais.
A oposição, formada pelos vereadores do PT e PSOL, vem manifestando rechaço às propostas da prefeitura desde o começo do recesso parlamentar, período no qual se encaminharam os projetos a respeito da política salarial, além do encerramento de programas educacionais e o fim da segunda passagem gratuita nos ônibus da Capital. A líder da oposição, vereadora Fernanda Melchionna (PSOL), discursou no ato contra o que chama de "pacote de maldades". Já o vereador André Carús (PMDB) ressalta que vai definir com seus colegas se haverá uma posição conjunta, mas que, pessoalmente, acredita que "temos que preservar o servidor nos direitos que não são privilégios, direitos que garantem que o servidor contribua à qualidade do serviço público". Segundo Nario Fagundes da Silva, conselheiro da Associação dos Auditores e Técnicos de Controle Interno da Prefeitura de Porto Alegre (Ascontec), um dos pontos que também vêm gerando polêmica entre os servidores é a modificação do Regime de Dedicação Exclusiva, uma opção para que os servidores trabalhem 40h semanais com adicional salarial.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Leandro 02/08/2017 15h31min
Até o final do mandato, esse prefeito, eleito pelos "doentes", terá destruído a cidade de Porto Alegre...nSão décadas de alienação, omissão, falta de exercício da cidadania e irresponsabilidade na hora de votar. Portanto, está na hora de colher... Quero ver ainda o vulgo brasileiro chegar à penúria completa e comer lixo repleto de vermes das lixeiras. É isso que a plebe masoquista, alienada, mentecapta e corrupta merece (eis os doentes aludidos acima).