Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de agosto de 2017. Atualizado às 14h52.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 22/08/2017. Alterada em 22/08 às 14h56min

Frases e personagens

Beto Mansur, foto Luis Macedo, Câmara dos Deputados

Beto Mansur, foto Luis Macedo, Câmara dos Deputados


Luis Macedo /LUIS MACEDO/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
"A reforma da Previdência está parada. Não adianta ficar mexendo nisso agora, porque a gente não está com essa pauta. Tem reforma política, meta fiscal na frente. Não dá para discutir isso agora." Beto Mansur (PRB-SP), um dos vice-líderes do governo na Câmara.
"O governo está longe de ter os 308 votos necessários para aprovar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma. O governo só tem hoje 220 votos a favor do texto aprovado na comissão especial. Esse número é até menor do que os cerca de 250 que eram contabilizados antes do episódio JBS." Também Beto Mansur.
"Julgar os processos de impeachment contra o presidente Michel Temer (PMDB) pode piorar o cenário político do País. Acho que a Câmara já julgou os fatos que estão no pedido de impeachment na votação da denúncia. Se a gente ficar remoendo o mesmo assunto, a gente só vai gerar instabilidade no Brasil." Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara Federal.
"O Rio Grande do Sul há muito entrou no cheque especial. Precisaríamos de R$ 3 bilhões. Ficam fazendo simulações fora da realidade sobre acerto de contas com o governo federal. Mas nossos números conferem com a Procuradoria-Geral do Estado. Desde o governo FHC, Lula, Dilma e Temer que o governo federal não faz esse acerto, que depende dele." Giovani Feltes (PMDB), secretário estadual da Fazenda.
"Quem aceita ingressar no serviço público tem que abrir mão de uma parcela da sua privacidade. Eu acho que na iniciativa privada talvez alguém possa arguir o direito de privacidade para não revelar quanto ganha. Portanto, eu ganho em torno de R$ 23 mil líquidos. Sou um servidor público e, portanto, eu acho que o que eu ganho não pode ser algo escondido da sociedade." Luís Roberto Barroso, ministro do STF.
"Não estou em pré-campanha e descarto um cenário sem o ex-presidente Lula da Silva (PT) em 2018. Eu vou querer ouvi-lo antes de tomar qualquer decisão. E a estratégia de João Doria (PSDB) é só comunicacional. É uma estratégia de marketing. Pura e simplesmente." Fernando Haddad (PT), ex-prefeito de São Paulo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia