Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de agosto de 2017. Atualizado às 08h48.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

venezuela

Alterada em 17/08 às 08h52min

Confronto em presídio na Venezuela deixa 37 mortos e 14 funcionários feridos

Agência Brasil/EFE
Pelo menos 37 pessoas morreram e 14 funcionários ficaram feridos durante um confronto, na quarta-feira (16), na penitenciária de Puerto Ayacucho, capital do estado do Amazonas, no sul da Venezuela, informou nesta quarta-feira o Ministério Público (MP) do país. As informações são da Agência EFE.
"As mortes aconteceram durante a retomada do controle do Centro de Detenção Judicial do Amazonas, na qual ficaram feridos também 14 funcionários", disse o Ministério Público, sem dar mais detalhes sobre o caso.
O governador de Amazonas, Liborio Guarulla, foi o primeiro a denunciar as mortes. Opositor ao governo do presidente Nicolás Maduro, ele classificou o ocorrido como um "massacre" causado pela atuação de uma Unidade Especial do Ministério de Relações Interiores Justiça e Paz, que tentou tomar "à força" o controle da penitenciária.
Uma fonte que soube em primeira mão sobre a operação de retomada do controle do presídio disse à Agência EFE que o confronto começou quando uma comissão formada por membros da Polícia Nacional Bolivariana e da Guarda Nacional Bolivariana realizava uma inspeção.
O número de mortes representa 40% do total de detidos, segundo a mesma fonte.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia